Prévia (?kkk)

– Cantaloup!

Um dos reis do Vinagre do Sudeste Asiático gritou o nome de Can bem alto. Os olhos pequenos de Can se arregalaram duas vezes mais o seu tamanho quando o ouviu gritar seu nome.

– Merda!!!

Depois de gritar, Can correu até Tin.

Quem te deu o direito de me chamar pelo nome todo em plena luz do dia na frente de tanta gente!

Como Can já tinha corrido até ele, Tin não precisava fazer mais nada, ele já tinha se aproximado e o empurrado para um canto com força, tanto que quase lhe arrancou a roupa. Os veteranos que estavam no campo olharam para os dois com confusão.

Quem diabos é Cantaloup?

Nesse momento Type também olhou na direção de seu Nong e percebeu quem tinha vindo chamar pelo menino.

– Ah, então é ele. Eu vi ele no mercado uma vez, ele me olhou como se eu tivesse insultado o pai dele. – Techno disse ao lembrar do evento. Suas palavras fizeram Type arquear as sobrancelhas e então rir sem parar. – Tá rindo do quê Type?

Mas Type só continuou rindo sem dizer nada. Então ele agitou as mãos e continuou andando até o meio do campo, rindo sem parar enquanto caminhava.

– Quanto mais você odeia uma pessoa, mais você a ama. Parece que essa frase está sempre certa.

Para alguém experiente nessas situações como Type não demorou um segundo para entender o que estava acontecendo, mas para alguém como Kirakorn … se ninguém lhe dissesse diretamente o que estava acontecendo ele ficaria sem saber de nada até o dia de sua morte. Se ninguém lhe falasse nada, ele provavelmente nunca entenderia por que um momento atrás Tin chamou seu nome com tanta raiva.

Ponto de vista do Can

– Como está seu humor hoje? Oh sim … melhorou bem rápido! Vamos ver filme, ah!

– Sente direito e rápido, ponha o cinto de segurança.

Eu realmente não entendo Tin e seus sentimentos. Ele claramente me disse que estava livre hoje para vermos filme, mas ele teve aula hoje de manhã, então só pudemos nos encontrar de tarde. Sabe esse tipo de coisa grátis? Eu seria estúpido de não aceitar. Lá tem vários lanches. Mas então, como ele pôde simplesmente vir e me chamar pelo meu nome completo assim com tanta casualidade?

Oh! Eu estou certo de estar com raiva! Ele gritou meu nome bem alto!

– Eu sei, você não precisa me dizer isso. Ainda vou colocar o cinto de segurança … Merda! Você acha que está dirigindo um calhambeque?! Mais devagar! Você está em uma corrida para encontrar seus avós?!

Tin não sabe como dirigir. Esse carro é extremamente luxuoso, mas ele não o trata bem. Será que ele esqueceu que ainda estamos no estacionamento da Universidade?

– E quem disse que você pode me chamar pelo nome todo? Ninguém sabe que meu nome todo é Cantaloup.

Quando olhei para ele, eu estava fazendo uma expressão azeda, deliberadamente mostrando meus sentimentos. Tin apenas me deu uma olhada e juntou as sobrancelhas.

– Ninguém sabe seu nome?

– Ninguém do time sabe. Só você. Oh, você e Lei.

– Humm? – Ele apenas se virou com um ar leve entre nós e diminuiu a velocidade do carro.

Quando finalmente saímos do campus ele pisou no acelerador e o carro dele acelerou como se estivessemos numa pista de corrida. O rosto dele estava frio, então subitamente desacelerou e falou comigo num tom mais amável.

– Eu não me segurei de forma alguma. Não vou mais chamar pelo seu nome se tiver mais alguém perto de você.

– Mesmo que sejamos só nós dois, você não pode dizer ah! Meu nome é Can. Can. Apenas Can! Não me chame de Cantaloup, ou então vou embora! Ah mãe, por que você me deu esse nome? – Depois daquilo minha boca se fechou em uma linha larga e eu não pude evitar bater o pé no chão do carro. Quanto mais eu discutia com minha mãe sobre meu nome, mais ela ficava orgulhosa do nome que me deu e isso sempre só me deixava mais irritado.

– Ouça essa música Cantaloup.

– Só Can!

Esse cara está deliberadamente me provocando. Olhe para essa forma fria e arrogante de sempre, ele está sempre procurando uma chance para me chamar pelo meu nome todo e me deixar bravo.

– Oh, então colega, você quer ouvir a música “só Can”?

Minha boca subitamente se abriu em um grande ‘O’ e o olhei tristemente. Esse cara só está me provocando, né? Por que ele é tão bom nisso? Todas as vezes que o vejo ele diz coisas assim para mim. Por exemplo: “Quem você pensa que é para continuar tentando me forçar, eu, Tin Maysathanan?”, “Eu deixei você sentar no meu carro e isso já é um grande favor para você.”, “Quantas vezes eu vou te chamar assim é assunto meu.”

Esse é o jeito certo de progredir com nossa história?

– Por que você está fazendo essa expressão?

Eu rapidamente dei um tapa na minha cara. Eu não consigo acompanhar o ritmo dele. Parece que só a expressão mostra que o devo por mais de sete anos, mas então ele vem com essa do nada. Por que ele está tão interessado em me provocar? Por que de repente ele faz essa expressão cuidadosa e me pergunta isso num tom cuidadoso? Cocei minha cabeça.

– Não é nada. É bom que você esteja de bom humor. Bem, então vamos ouvir a música.

Pop!

– Hoi, por que você está me batendo?

Quando tentei dar o play no áudio do carro dele ele bateu nas costas da minha mão.

– Não toque.

– Mas essa não é a música que você queria ouvir? Eu quero ouvir a música agora, por que você está me batendo? – Eu realmente não consigo entender as ações de Tin.

– Eu só perguntei, mas não queria ouvir de verdade.

O quê???

– Eu quero continuar conversando com você.

Eu acho que já cocei minha cabeça tantas vezes que meu couro cabeludo está em carne viva, mas mesmo assim cocei ela mais uma vez. Onde você foi encontrar um homem louco assim? Ele perguntou se eu queria ouvir música apenas para eu pensar nisso. Então, eu só tenho uma opinião. Eu não quero ouvir a música, eu também quero continuar conversando com ele. Estou com ciúmes, porque sua língua é melhor que a minha.

– Bem, então vamos conversar sobre isso. Que tipo de loucura se passa na sua cabeça? Você realmente quer conversar comigo, mas normalmente você diz “tão barulhento!” ou “tão chato”, não é mesmo? – Eu deliberadamente imitei seu tom de voz. Eu sabia que depois de ouvir isso ele certamente iria me amaldiçoar, mas na verdade ele sorriu.

Isso é engraçado? Eu sou um comediante famoso?

– Quando nós vamos chegar? Eu posso assistir os filmes diretos sem parar? O que eu deveria fazer? Eu quero ver filmes de zumbis, mas eu tenho que fazer uma linha tênue entre os filmes de fantasma, isso é complicado. Ah! Eu tenho uma lista de filmes que quero ver, mas se eu for ver tudo de uma vez eu não vou ser capaz de ir para casa hoje.

– Então não vá para casa. – Ele disse aquilo de forma bem clara.

– Oh não. Eu tenho que ir para casa pra jantar.

Eu recusei de imediato. Hoje minha mãe disse que faria um jantar especial em casa e isso era o tipo de coisa que acontecia apenas duas vezes por ano.

– Eu posso pedir para alguém preparar comida italiana especialmente para você.

O quê?!

Eu não posso dizer que estava surpreso, mas estava curioso, então ele começou a me explicar sobre os pratos bem devagar, que tipo de comida era e como eram feitas.

– O primeiro prato é uma sopa de vegetais, depois vem uma massa italiana, mas eu não sei que tipo de macarrão o chefe irá fazer. Para o terceiro prato, você pode escolher entre lombo e lula. A salada é de rúcula e salmão defumado. Oh, e também tem uma pizza italiana de verdade. O chefe vai vir te perguntar que tipo de recheio você quer, eu recomendo que você peça de rúcula e presunto. Para a sobremesa teremos tiramisu e sorvete. Eu não sei se você bebe ou não, mas eu tenho vinho. Você pode pedir do sabor que quiser.

(Tradutora: People, vocês gostam de rúcula? Parece que o Tin gosta muito. Eu particularmente nao gosto, trabalhei com a folhosa por muitos anos e hoje em dia não suporto o cheiro kkkk.)

O quê? Eu devo ser estúpido. O que é o aperitivo? Que tipo de aperitivos são? Pisquei várias vezes. Eu não entendi algumas coisas que ele disse, felizmente a maior parte dos nomes foi dito em tailandês. Eu sei o que é comida italiana, mas só para ter certeza …

– Me explique de novo, agora em tailandês.

As pessoas sempre dizem “não tenham vergonha de perguntar”, então não tive vergonha de perguntar a ele.

Dessa vez ele se virou para olhar para mim com olhos irritados, o tipo que você dá ao seu pet quando está irritado com ele. Eu sou um pet? Mas então ele não ficou bravo comigo, apenas explicou mais detalhadamente. Ele não tinha outra escolha a não ser explicar. Eu tinha duas escolhas, ficar com ele e comer comida italiana ou ir para casa e comer tripas. Eu não posso ter os dois!

(Tradutora: Ah, ele não está reclamando de nenhuma opção, ele gosta de tripas – que aliás eu não sabia se botava ‘buxo’, ‘intestino’ ou ‘tripas’.)

– Eu quero comer isso também! – Mãe, me desculpe. Eu posso ir no mercado qualquer noite para comer tripas, mas eu não sei se eu terei outra oportunidade de comer esse tipo de comida de novo na minha vida.

– Ótimo. Então é um encontro.

– Huh?

Me virei para olhar pra ele e vi seu rosto de satisfação. Eu ouvi ele dizer ‘encontro’ com meus dois ouvidos, então tive que esclarecer.

– Quem está num encontro com você?! Eu só estou indo ver um filme e jantar com você. Onde isso é um encontro? – Isso claramente é apenas uma interação entre dois caras héteros!

(Tradutora: a fanfic meu povo ‘-’.)

Eu estava muito confiante, mas quanto mais pensava nisso, mais eu achava aquilo um pouco estranho. Tin respirou bem fundo e quase soprou meu cabelo, então deu play na música, mas eu não queria ouvir o som.

– Nós vamos ver filme. Vamos ouvir um pouco de música juntos e depois vamos jantar. Quão estúpido você é?! Todo mundo sabe que sair para fazer essas coisas quer dizer ir a um encontro.

Ver filmes, ouvir música e jantar, o quê?!

Eu quase me virei e comecei a gritar com ele, mas só baixei a cabeça e comecei a contar nos dedos. Eu rapidamente pisquei os olhos várias vezes e levantei a cabeça para olhar ele.

– Sim, isso é um encontro. Eu estou saindo com você … que irritante.

Eu subconscientemente admiti, mas logo balancei minha cabeça esperando enterrar esse assunto. E o que tem isso?! O que tem de tão especial em nós dois estarmos em um encontro?! Desde que eu possa comer comida italiana e ver filmes eu irei a vários encontros, não há perdas.

***

– Ar’Tin!

– Esse não é o filho do seu irmão?

Eu tropecei no meio do caminho, pois Tin estava me levando para a porta de uma enorme villa luxuosa. Aquele lugar era tão grande que gigantes poderiam viver ali. Olhei para o buraco no teto e para a fonte européia de novo e de novo. Ainda estava olhando para tudo quando ouvi uma voz pura soando nos meus ouvidos, quando me virei vi uma figura baixinha correr do interior da casa para abraçar Tin bem apertado.

Eu gritei em surpresa. Aquele não era o filho do irmão do Tin?

Quando apontei para o rosto dele e disse aquilo em voz alta, a criança ficou irritada e quis discutir comigo enquanto suas pequenas mãos se apertavam nas calças de Tin.

– Eu me chamo Nong’Phu, não ‘filho do seu irmão’.

– Você é filho daquele cara. Você é tão ruim quanto seu pai?

Perguntei, enquanto mantinha meus olhos sobre ele. Ele parecia uma daquelas crianças famosas da TV, tinha olhos grandes, sobrancelhas bem feitas e sua pele era branca. Ele parecia um boa criança, mas eu sinto muito, não gosto de crianças. Além disso, seu pai não é bom para Tin, então eu só posso lidar com você.

– Meu pai é uma boa pessoa. Você não tem permissão para dizer que meu pai é ruim! – Olhe para essa criança, ele só tem por volta de três ou quatro anos, mas ousa me responder. Claro que respondi de volta.

– Eu só quero saiba, não sabe que seu pai é feio, malvado e sem vergonha? – Falei como se eu fosse um membro do tribunal de justiça.

Seu pai fez tantas coisas ruins para Tin, mesmo assim acredita que ele é inocente?

Minhas palavras fizeram o menino arquejar, então seus olhos ficaram vermelhos e ele segurou a calça de Tin mais forte com suas pequenas mãos.

– Não … não … não diga coisas ruins do meu pai … *Soluço* …

– Ew, está chorando tão feio.

Quando o vi chorando, me senti muito feliz, mas quando quis o ‘atacar’ de novo, dizendo o quão ruim era seu pai, Tin se inclinou e o pegou no colo, balançando a cabeça para mim.

– Huh! Olhe só, quem disse que eu não podia mexer com ele? Você me proibiu de socar o pai, então vou provocar o filho.

– Ar’Tin … *Soluço* … – Então ele começou a chorar com mais força enquanto se agarrava aos ombros de Tin. Comecei a me conter.

Agora você quer que o Ar’Tin te console?! Seu pai tornou impossível para ele voltar a Tailândia por anos e quer saber, ele chorou mais que você!

Ok, sou infantil.

Olhe para ele, esse carinha está se agarrando com força nos ombros do tio enquanto chora. Uma empregada veio e quis o levar embora, mas Tin disse que não, então ele se voltou para mim, suspirou e disse: – A pessoa que fez coisas ruins para mim não foi ele, nem a mãe dele. Se eu quiser me vingar dele, eu com certeza não vou fazer isso usando os dois. Você não sabe? Esses dois estão mais classificados para ser minha família que os outros. – Tin disse acariciando as costas do sobrinho. O pequenino suspirou suavemente. Não sei se foi uma ilusão minha, mas parecia que ele amava muito seu sobrinho.

Tin consegue ser muito bom as vezes … não sei. Esqueça isso!

– Está bem, você está certo … hei, baixinho, estamos bem agora? – O cutuquei no ombro. Ele se virou para me olhar com a cara coberta de lágrimas. Levantei o mindinho. – Melhor assim! Sinto muito. – Eu realmente apertei os dentes e pedi desculpas para o menino.

– Eh! Você falou coisas ruins do meu pai, Nong’Phu está com raiva!

Apenas espere até você fazer alguma coisa ruim, eu arrancarei seus olhos e o assarei!

– Sim, sim … Eu realmente sinto muito. Você não é um bom garoto? Bons garotos sempre aceitam as desculpas dos outros. – Tentei persuadir o Nong’Phu. Ele se virou para olhar o tio, que assentiu para ele aceitar as desculpas, então ele também ergueu a pequena mão.

– Eu sou uma boa criança. Aceito suas desculpas.

Depois disso cruzamos nossos mindinhos.

Olhando assim de perto, essa criança deve ser muito popular.

– Por que você está em casa tão cedo? Onde está sua mãe?

– A mamãe saiu para ver a vovó.

Tin conversou com o sobrinho. A criança parecia ter alguma precisão, como se soubesse que o tio ia perguntar isso, então ele respondeu com bastante firmeza em alto e bom tom enquanto balançava a cabeça.

– O vovô e a vovó não estão em casa e o papai foi trabalhar para fazer dinheiro e eu poder ir pra escola. Hoje a escola está fechada, então estou sozinho em casa.

Eu rapidamente olhei em volta. Haviam guardas, um porteiro e pessoas trabalhando no jardim enorme, além disso haviam muitas pessoas andando por ali, então eu senti que com certeza aquele não era um lugar onde alguém poderia dizer que estava “sozinho”, mas aquela criança claramente disse isso, o que quer dizer que as pessoas dessa casa não os consideravam família de forma alguma.

– Você quer ver filme com a gente?

Nong’Phu se virou para me olhar de forma confusa.

– Olha só, hoje eu vou ver filme com o Tin, você quer junto com a gente? Assim você pode brincar com seu tio, certo? – Quando o convidei, aquela criança aceitou rapidamente. Ele se agarrou bem forte nos braços do tio e logo se esqueceu do que eu tinha acabado de lhe dizer.

Depois ele pulou dos braços do tio para meus braços e eu fiquei mais do que feliz por segurá-lo. Eu não sei se isso foi causado por uma simpatia incomum depois de o chatear ou qualquer coisa assim, mas o segurei bem forte nos meus braços.

– Eu posso te garantir que você vai ficar bem feliz com o P’Can. Eu vou esquecer quem são seus pais. Brinque com o P’Can e você terá mais diversão e risos do que na sua vida toda! – Desde que Tin não goste que eu haja de forma infantil, então não vou ser infantil (no sentido de que ele não vai mais provocar o sobrinho de Tin por algo que ele não tem culpa). – Oh! O que você está fazendo com meu cabelo?!

Uma mão veio do nada e bagunçou meu cabelo, então rapidamente perguntei a Tin sobre aquilo, mas quando o olhei … ele estava rindo. Parecia que a brisa da primavera tinha me atingido e que alguém estava me fazendo cócegas.

– Quem é a criancinha no fim das contas?

– Não sou eu. – Falei com confiança, então caminhei direto para dentro da casa. Eu tinha me esquecido. Essa enorme mansão que parece imponente não é minha. Parei no terceiro degrau da escada e me virei para falar com Tin, que estava entregando as chaves do carro pro mordomo.

– Hei, onde é o cinema privado? Vá na frente! Eu não conheço sua casa.

– Você realmente é … hahahaha.

Eu só disse aquilo, mas o fedorento do Tin riu tão alto que os empregados se viraram para nos olhar. Eu posso te garantir que não sou um comediante e que nunca faria alguém rir assim, como se o riso viesse do fundo do coração.

Ponto de vista do Tin

Eu nunca tinha conhecido uma pessoa com quem eu pudesse me sentir tão confortável antes.

Eu sou pessimista, então algumas vezes eu imagino se Can não está agindo assim só para ganhar minha confiança, mas então eu penso mais profundamente sobre isso e percebo que eu não riria tão alto assim todas as vezes se esse fosse o caso. Can é realmente esse tipo de pessoa? Ele é um cara sem limites que faz o que bem entender. Ele não sabia de nada, mas disse ao meu sobrinho “seu pai é ruim” e por um momento eu fiquei feliz.

Eu não odeio o Phupha. Eu nunca odiei ele. Eu comecei a simpatizar com minha cunhada, Wadee, quando ela começou a ficar com meu irmão e essa simpatia naturalmente migrou para meu sobrinho. Ele não sabe as coisas que o pai dele fez, mas quando ele começou a chorar eu senti um pouco de prazer no meu coração e esse prazer ainda é muito raro.

Talvez eu odeie um pouco meu pequeno sobrinho bem no fundo do meu coração, mas eu não demonstro isso, porque não quero ser tão tolo. Na verdade, minha atitude quanto ao mundo ainda é bem tola, mas apenas Can pode agir dessa forma infantil que não ouso mostrar.

Mais alguém ousaria intimidar uma criança de três anos na frente da babá só para me ajudar a se vingar? Esse tipo de atitude tola é vista como inútil pelos outros, mas isso me fez sentir algo brotando profundamente em meu coração, o que me fez respirar com mais força, mas dessa vez não era como se eu fosse me afogar. O motivo da minha respiração estar difícil era porque eu estava me prevenindo de ter certos tipos de pensamento com essa pessoa além do trazer ele para minha casa.

Levou apenas cinco minutos para Can me fazer perceber que eu odiava meu sobrinho, mas mesmo assim eu ainda não pude ficar parado vendo ele chorar. Talvez meus sentimentos por Phu sejam de amor e ódio. Quando Can convidou meu sobrinho para ir com ele em vez de mim todos os meus sentimentos de rejeição sobre ele sumiram sem deixar rastros. Eu ri, porque esse cara não se importava com o tamanho da minha casa, ele só tinha um objetivo, a sala de cinema privada. Demorou apenas cinco minutos, mas as coisas que ele me fez experimentar foram muito mais do que outras pessoas me proporcionaram a vida toda.

– Tin, eu posso tomar mais?

Pulei para fora de meus pensamentos e olhei para Can, que estava sentado em um banco de veludo e segurava um copo na mão. O copo tinha acabado de ser enchido, mas já estava completamente vazio. Can também pegou a laranja da mesa que tinha sido posta para enfeite e a levou a boca, mas seus olhos não saíram da tela a sua frente.

A sala privada de cinema da minha família podia comportar vinte pessoas, tinha uma tela de cinema enorme e bancos de veludo azul que podiam ser ajustados para esticar as pernas. Um equipamento de luz foi instalado na sala para que a luz pudesse ser ajustada na intensidade que desejássemos. Outra coisa é que o equipamento de som da sala foi todo importado, mas não importa qual o volume do filme, não poderia ser ouvido do lado de fora, porque o isolamento dela é de primeira qualidade. Essa sala foi projetada para que toda minha família pudesse relaxar e se entreter, mas exceto por mim, essa sala é raramente usada por todos.

Eu geralmente venho aqui porque é quieto, então posso descansar meus pensamentos, mas Can realmente o está usando como uma sala de cinema. Vi ele assistindo o filme; Phupha já tinha ido embora há muito tempo quando o primeiro zumbi apareceu.

– Eu te ajudo depois. – Falei pegando o copo vazio de sua mão.

Então ele gritou: – Espere. Que tipo de suco é esse? Definitivamente não é de laranja, deve ser alguma mistura, mas é muito gostoso. Diga a eles para não me darem um copo bonito, apenas grande, assim você não terá que voltar para pegar mais depois.

Acho que eu já dei mais de mil suspiros nessa sala. Estou grato por ele estar aqui comigo, mas não importa como você olhe, ele está se comportando como se estivesse comendo na rua, qualquer outra pessoa teria gritado de admiração quando viu minha casa ou então teria agradecido pela minha atenção e cuidado, mas não ele.

Não disse nada, só fui até o telefone que estava numa parede dali.

 – O que você trouxe da última vez?

Ouvi outra pessoa falando do outro lado linha e eu apenas concordei com a cabeça. Na verdade eu só preciso dizer a eles para trazer de novo a mesma mistura de suco que antes transformada em um coquetel, mas olhe para ele, estava tão imerso no filme.

– Então me traga outro copo, um grande. Traga também três tipos de biscoito.

Ok, eu não preciso de álcool para conquistá-lo, posso fazer isso por mim mesmo.

Fiquei parado na porta do cinema e vi as reações de Can ao ver o filme. Ele estava com os punhos cerrados e a respiração presa, então quando o zumbi pulou em cima da mulher ele gritou histericamente. Não consegui não rir vendo aquela cena.

Quando estou com ele eu sinto um conforto indescritível.

Não pense sobre isso. Não seja cuidadoso. Não discrimine.

Não importa o que Cantaloup pense, ele ficará em êxtase.

Eu não sei quanto tempo fiquei vendo ele sobre as luzes da tela, só sei que quando percebi havia alguém batendo na porta, então me apressei para abri-la.

– Pode me dar, eu levo para dentro. – Falei para o servente, então troquei o copo vazio pela bandeja cheia que ele trazia. Eu não queria ninguém atrapalhando meu momento a sós com Can.

Coloquei a bandeja no braço da poltrona enquanto ele continuava imaginando se o protagonista conseguiria fugir do zumbi que o perseguia.

– Hei! Isso parece gostoso.

– Experimente.

Essa é a primeira vez, desde que o filme começou, que ele tira os olhos da tela para me olhar, então …

– Você não quer que eu coma?

Quando ele tentou pegar uma Bruschetta, eu rapidamente agarrei sua mão e meus dedos o envolveram de modo que ele segurasse a respiração. Ele rapidamente me olhou com confusão.

– Você pode comer, mas tem que pagar antes.

– O que você disse?!

Peguei o controle e dei pause no filme antes de aproximar meu rosto do dele.

– Se você quiser comer, então tem que pagar antes. – Repeti.

– Pagar? Quanto custa?

Ele ainda não me entendeu. Lambi os lábios e me aproximei mais dele. Minhas pernas longas inevitavelmente se pressionando contra seus joelhos. Segurei seu ombro com uma mão e com a outra toquei seus lábios, dizendo a ele qual era o pagamento.

– Você quer outro beijo? – Ele sabe, mas mesmo assim pergunta.

Ele olhou para a bandeja cheia de coisas deliciosas e fechou os olhos.

Por que eu acho essa atitude tão fofa? Parece que vou ter que seduzir ele com comida pelo resto da vida.

Concordei com a  cabeça ao pensar naquilo, então me aproximei e olhei para seu rosto branco sem pontos brilhantes. Eu não sei por que isso fez meu coração acelerar tanto. Toquei os lábios dele com gentileza e desci minha mão para seu pescoço, ajustando o ângulo de sua cabeça.

Chupei seu lábio inferior e isso pareceu o deixar surpreso, mas mesmo assim ele ainda não abriu a boca, na verdade parece mais fechado do que antes. Eu tive que acariciar seu queixo gentilmente, como se estivesse pedindo permissão, mas ele ainda não queria abrir.

– Abra sua boca. – Disse gentilmente em sua orelha. Ele respirou fundo, mas ainda não a abriu. – Abra sua boca Can.

– Não!

Ele começou a resistir, então abriu os olhos para me olhar.

– Abra a boca. – Falei mais uma vez, agora num tom mais restritivo. Ele iria começar a discutir sem pensar.

– Vá em frente e me beije, eu quero manter a boca fechada, então apenas beije assim!!!

Ele sussurrou uma fala, então usei aquela oportunidade para juntar nossos lábios e usar minha língua para explorar sua boca.

– Humm … oh … ah …

Seus leves empurrões gradualmente pararam eu sorri e abri mais meu coração. Ele finalmente concordou em abrir a boca. A língua dele se enrolou com a minha. Essa não é a felicidade que eu sempre quis em meu coração?

Minhas duas mãos foram para o pescoço de Can. Quando lambi seus lábios eu pude sentir o gosto do suco e toda vez que eu me aprofundava mais no beijo, seu corpo tremia um pouco, mas ele continuava a corresponder. Sua língua estava estava seguindo a minha de volta para minha boca. Parece que vou ter que ensiná-lo a beijar.

Ele nem mesmo protestou quando ajustei a poltrona para que ele deitasse ou então quando minha língua saiu e entrou de sua boca. Talvez ele nem tenha percebido isso, mas toda vez que minha língua saia, ele tirava a sua língua também. As mãos dele estavam agarradas ao meu colarinho e parecia que ele estava deliberadamente tentando controlar sua respiração.

– Oh … humm …

Eu finalmente ouvi seus gemidos e seu sussurro gentil. Os sons de nossos beijos criava um ambiente particularmente bom na sala. Ele nem sabe quando eu ajustei a cadeira para deitarmos e nenhum de nós dois faz a mínima ideia de quantas vezes nossas línguas foram e voltaram.

– É gostoso?

Minha boca finalmente deixou a sua e demorou um momento até que eu lhe perguntasse isso. Nosso beijo durou quase dez minutos sem pausa, por isso quando o olhei pude ver seus olhos nebulosos. Eu pensei que ele queria me bater, mas em vez disso ele disse:

– Bem. Foi muito gostoso. – Ele respondeu minha pergunta de forma direta e honesta.

Por causa daquilo eu não consegui parar.

Eu vou te ensinar agora que o mundo é mais gostoso que seus biscoitos.