Ponto de vista da Autora

– Primeiro eu vou tomar banho.

– Ok, então pode ir. O que vamos comer hoje a noite?

– Eu posso cozinhar, então vou preparar alguma coisa depois que eu terminar.

– Ok Ae.

Se os sentimentos pudessem transmitir os sentimentos de outro alguém pelas palavras nosso Mestre Pichaya teria notado que sua resposta mudou a expressão de Ae para uma igual aquele emoji ‘^_^’. O Jovem Mestre sentou no sofá com os pensamentos voando enquanto olhava o namorado caminhando para o quarto com seu uniforme. Ele eriçou o beiço.

Pete não conseguia parar de pensar que os dois estavam sozinhos, o que o fazia sorrir. Apesar do Pete não ser um namorado egoísta que só queria manter o namorado para si, ele não conseguiu evitar, no fim das contas eles não se viam e ficavam sozinhos há várias semanas. Além disso, ele era um homem bem sensual, então pensou silenciosamente no que poderia acontecer entre eles mais tarde naquela noite.

Ae vai fritar arroz para comermos …

Isso podia ser só uma coisinha para os outros, mas para estas pessoas apaixonadas aquilo era algo enorme. A coisa aqui era que Ae disse a Pete casualmente que cozinharia para ele (Tradutora: não sei de deu para entender, mas ele está feliz, porque ele falou aquilo como se fosse comum para ele, como se já fizesse parte da rotina deles).

–  Eu estou tão feliz! – Pete sussurrou para si mesmo, apertando uma almofada bem forte. Ele estava com medo de morrer por causa dessas pequenas coisas felizes.

Quando o celular Pete deu um ‘pin’, ele o pegou com um sorriso, encarando a tela. Quando ele viu de quem era a mensagem, seu sorriso aumentou.

Pete: Deli.

Sua animação fez ele mandar inconscientemente o nome dela várias vezes até que ela mandasse um emoji de ‘soco na cara’ para ele, então ele escreveu:

Pete: Deli, eu estou tão feliz agora …

Deli: Alguma coisa boa aconteceu? Me fale sobre isso.

A amiga de Pete respondeu bem rápido, desejando que ele compartilhasse sua felicidade com ela, mas acontece que ele pensava que conversar com ela sobre isso não era muito bom. Acontece que, mesmo que Deli não fosse próxima da mãe dela, ela era próxima de sua avó, para quem contava tudo, e a avó dela era próxima da avó de Pete.

Pete: Eu só estou muito feliz porque você me mandou mensagem, por isso estou tão feliz.

Deli: Você falando assim me deixa sem graça.

Quando Pete leu a mensagem ele riu bem alto, não entendendo o real significado da mensagem que a menina tinha lhe enviado.

Deli: Falando nisso … eu realmente queria te ver. Você não quer vir no aniversário da minha avó?

Deli: Você tem que vir. Se você não vier eu vou ficar muito brava.

Deli: Nós não nos vemos há um bom tempo.

Pete viu aquele monte de mensagens que veio em sequência sem um momento de pausa na digitação e começou a rir de novo. Ele nem estava tendo tempo de digitar uma resposta entre as mensagens dela, então escreveu o mais rápido que pôde.

Pete: Eu definitivamente vou! Eu também quero ver você e sua avó.

Não importa o que, para mim, uma pessoa que não tem muitos amigos, Deli é uma pessoa muito importante.

– Pete! Eu já saí! Pode ir tomar banho, eu vou fritar arroz pra você.

Antes que Pete pudesse continuar escrevendo para sua amiga, o homem que estava no banho saiu do banheiro. Quando Pete o viu ele rapidamente largou o celular.

– Haha.

– Do que você está rindo?

– Ah! De nada!

Mesmo que ele tenha negado qualquer coisa, quando ele tapou a boca com a mão ele percebeu que ele realmente havia estado sorrindo por um tempo. Aquele tipo de sorriso no rosto de Pete deixou Ae desconfortável. Ele rapidamente foi até Pete.

– O quê? – O pequeno e belo cachorro branco correu até seu namorado.

Mais tarde, Ae estava pensando no sorriso de Pete enquanto fritava arroz pro jantar. Ae estava acostumado a fazer algumas coisas no restaurante de sua família, mas não era um grande cozinheiro. Quando arroz ficou pronto ele começou a pensar se fazia ou não salsisha, mas então ele ouviu um ‘pin’ e algo vibrando, quando Ae se virou para ver o que era ele percebeu que era o celular de Pete.

Então ele percebeu que o celular de Pete estava vibrando por um tempo, mas como ele estava com o aspersor ligado ele não tinha percebido. Ae estava prestes a gritar para Pete que seu celular estava vibrando, mas então percebeu que havia uma grande quantidade de mensagens não lidas. O baixinho encarou a porta do quarto, então olhou para a tela do celular e usou o dedo para rolar a tela e ler as mensagens. Ele não precisava desbloquear o celular, porque as mensagens estavam claramente escritas na tela.

Deli: Então você vai vir mesmo? Minha avó definitivamente vai ficar muito feliz.

Deli: Pete, venha comigo para comprar o presente da vovó.

Deli: Como antigamente, vamos fazer isso juntos.

Deli: Eu também convidei a tia Putch, ela já concordou em vir.

Deli: Ninguém da nossa família se junta há muito tempo.

Deli: Lembra como era antigamente?

Deli: Como eu consigo falar tanto de uma só vez? Oh.

Deli: Você tem que vir comigo comprar um presente.

Muitas daquelas mensagens terminavam com emojis, mas Ae não planejava continuar vendo o resto das mensagens, então apenas colocou o celular de Pete de volta no lugar.

– Está tão confortável e quente hoje, Ae.

Ae tinha acabado de deixar o celular no lugar quando o dono do aparelho caminhou para fora do quarto. Ele tinha uma toalha nos ombros e Ae olhou seu rosto amável, que tinha um sorriso aconchegante.

– Está muito quente hoje.

– Ae, o que aconteceu com você?

– Nada.

O baixinho não sabia que expressão ele estava fazendo, mas Pete já tinha notado alguma coisa, então Ae se apressou em balançar a cabeça e levar o arroz pra mesinha em frente a TV.

– Eu vou pegar um pouco de água.

– Sua amiga … eu acho que a Deli está te mandando mensagem, ouvi seu celular vibrando.

– Oh, ela me convidou pro aniversário da avó dela, vai ter uma festa.

Pete disse aquilo de forma tranquila enquanto ia pegar um pouco de água e depois voltava para sentar no sofá, perto do namorado.

– Sua família é muito próxima da Deli?

– Muito próxima. Minha avó e a avó dela são muito amigas e meu pai e o pai dela também, mas como eu já te disse, meus pais são divorciados, então todos se falam muito raramente. Deli é a única que continua em contato com todo mundo … eu deveria comprar um presente pra avó dela, nada muito complicado. – Ele comentou enquanto pegava o celular.

– Acho que estou livre esse sábado. – Assim que ele disse aquilo ele se virou para olhar o namorado, mas antes que ele pudesse responder ele voltou a falar: – Venha comer, vai ficar frio.

Então uma mão enorme tirou o celular de Pete de suas mãos, a colocou de lado, e a substituiu por um prato de arroz. Pete olhou para Ae intrigado.

– Hei Ae, você está insatisfeito comigo? – Pete imediatamente sentiu que tinha algo de errado.

– Não, coma.

Ao ouvir o tom do namorado, Pete se apressou em comer. Durante o jantar Pete lançou alguns olhares para o namorado. Antes dele ir tomar banho estava tudo bem, estava tudo harmonioso e feliz, então como as coisas acabaram assim com um clima tenso? Por causa disso, Pete começou a sentir como se o arroz estivesse bloqueando sua garganta, o impossibilitando de engolir mais.

Os únicos sons que eles ouviram durante aquele tempo foi o de suas colheres colidindo com o prato e o da TV, que Pete tinha ligado para fingir que assistia e assim prevenir que o clima se tornasse pior entre os dois.

Quando os dois terminaram de comer, o problema finalmente foi discutido.

– Você pode não ir?

– O quê? – Assim que Pete ouviu aquilo ele virou o rosto para encarar o namorado. Então ele percebeu que os olhos de Ae estavam demonstrando sua ansiedade.

– Você pode não ir com a Deli?

Pete começou a sentir que Ae estava com ciúmes, mas não queria agir errado.

Pete balançou a cabeça.

– Deli é minha amiga.

– Eu sei. Eu sei que você trata ela como amiga … – Mas por que você não percebe que ela não te trata só como um amigo?

A última parte foi mantida no coração de Ae. Ele deixou o prato e continuou insistindo.

– Eu não quero interferir na sua vida privada. Você pode ir no aniversário da avó dela, eu entendo isso, mas eu não quero que você vá fazer compras com a Deli sozinho.

– Então venha junto. – Pete rapidamente achou a solução para o problema, mas Ae balançou a cabeça.

– Eu não tenho tempo no sábado e eu não quero ir me encontrar com seus amigos.

Desde que ele era um cara direto, então suas respostas eram bem diretas. Aquelas palavras deixaram  Pete tão atordoado que ele não conseguiu continuar comendo. Ele largou seu prato e olhou para Ae.

– Ae, Deli é minha amiga, uma amiga muito boa. Depois do divórcio dos meus pais ela foi uma das únicas pessoas que continuou respeitando minha mãe como antes mesmo sabendo que eles não estavam mais juntos. Nosso sobrenome mudou, mas ela continuou vindo me ver como antes mesmo assim. Ela é minha boa amiga e eu não há vejo desde o aniversário da minha mãe. Se ela me pedir ajuda eu vou fazer meu melhor para ajudar ela. – Pete falou com muito carinho da Deli e Ae tentou o seu melhor para o entender, mas às vezes a verdade não é tão facilmente vista por duas pessoas que se amam.

O amor faz sua racionalidade desaparecer sem deixar rastros, especialmente quando se trata de algo que te deixa com ciúmes.

– Então é isso. Se você quer ir então eu não vou te impedir! – Ae nunca pensou que fosse dizer algo desse tipo. Depois de dizer aquilo Ae pegou seu prato e foi até a cozinha para o lavar, Pete olhou para ele sem dizer nada.

– Ae, você está sendo irracional.

Ae rapidamente se virou para olhar Pete. Seus olhos estavam sérios e irritados, então ele começou a falar baixo: – Bem, eu sou frio. Eu sou grosso. Eu sou irracional. Toda vez que isso tem a ver com você eu sou irracional!

Se as coisas estivessem normais Pete teria ficado feliz com essa reação de Ae, mas como as coisas já estavam tensas entre eles ele ficou muito quieto, então disse: – E a Champoo?

– O que isso tem a ver com a Champoo?

As pessoas dizem que quando um casal está brigando eles vão mencionar coisas imperdoáveis. Quando Pete mencionou a Champoo e ficou muito irritado.

A Champoo é importante pra essa conversa?

– Você também se encontra com a Champoo.

– Pete. Eu nunca quis me encontrar com ela, ela veio atrás de mim por conta própria. Além disso, ela vai pra mesma faculdade que nós dois, então é normal que eu acabar me esbarrando nela de vez em quando. É isso. – Ae disse aquilo numa respiração, então Pete se virou.

– Eu não gosto que você seja próximo da Champoo, você sabe que ela gosta de você, mas nunca menciona isso. Para mim a Deli é apenas uma amiga. Uma amiga!

– Mas ela gosta de você!

– Você que acha isso. – Pete voltou a encarar Ae, que não tinha como responder. Ele estava sentindo que os argumentos estavam saindo do controle. – Eu não gosto da Deli! Eu não tenho qualquer pensamento desse tipo com a Deli!

Essa pessoa, que geralmente era fraca, subitamente ficou emocional, o que deixou Ae sem saber o que fazer. Ele se virou e continuou a lavar o prato. Ele quis dizer com aquele ato que ele não queria mais discutir aquilo, ele estava com medo de perder a cabeça se eles continuassem com aquilo. Depois de tudo ele estava cheio de insatisfação, irritadiço e com raiva.

Por que falar sobre a Deli deixou Pete estressado com ele? Ele geralmente não era esse tipo de pessoa. Ae apertou o prato em sua mão e se o material dele não fosse tão resistente ele com certeza teria quebrado em suas mãos.

Mais tarde naquela noite, quando os dois estavam na cama, eles não dormiram como de costume ou conversaram antes de ir deitar. Ao invés daquilo os dois estavam deitados em silêncio na cama com as costas viradas um para o outro, sem conseguir dormir.

Não importa o quanto eles se amassem os dois ainda tinham pessoas importantes em suas vidas com as quais eles se importavam. Mesmo que os dois entendessem aquilo ainda tinha um forte cheiro de vinagre rodeando sua relação.

(Tradutora: Para quem nunca viu essa referência, vinagre é quando uma pessoa está com ciúmes. Nas novels asiáticas, principalmente chinesas, é muito comum usar essa expressão quando alguém está com ciúmes “você está tomando vinagre?” ou qualquer coisa relacionada a isso indica ciúmes).

Finalmente Ae se virou para olhar as costas de Pete, que estava coberto dos pés ao pescoço com bastante firmeza.

– …

– …

– Me desculpe.

– …

Mesmo que Pete já tivesse desculpado Ae, ele ainda não disse nada. Ae se aproximou e beijou Pete com gentileza, mas ele não o correspondeu. Aquilo deixou Ae um pouco chateado, ele só queria mostrar a Pete que ele pertencia unicamente a ele e então o punir por não o escutar, mas então Pete disse com sua voz gentil.

– Deli é minha amiga de qualquer forma.

Então, depois de escutar Ae, ele se afastou e foi deitar no canto da cama, completamente coberto com os lençóis. Agora sim ele não conseguia dormir.

Quem poderia acreditar que eles realmente brigaram por causa de uma coisa como essa?