Primeiro Amor 1

Depois do anúncio do rei do ‘Baile de Boas Vindas*’ da faculdade, uma pessoa bem afeiçoada(bonita) como Mark Waritphon, que estuda Engenharia, se tornou bem popular. Isso porque, bem, ele tinha ganhado o título de pessoa mais bonita de sua turma.

(Tradutora: Assim, na verdade imagino que isso seja sobre as Luas do campus e que a autora optou por traduzir dessa forma quando passou a história para o inglês, então queria saber se nos próximos capítulos vocês querem que eu deixe o título como ‘Rei do baile de boas vindas’ ou como ‘Lua do Campus’ ou só ‘Lua’ ou só ‘Rei’, comentem por favor).

Hoje Mark estava andando ao redor da Faculdade de Medicina antes do jantar. Paravee, ou P’Pa, tinha o convidado para ir lá, este era um estudante de medicina e também o ‘Rei do Baile de Boas Vindas’ do ano passado que tinha o título de ‘O mais Bonito e Eterno Rei do Baile de Boas Vindas de Todos os Tempos’. Ele era bonito, mas tinha um tipo de beleza diferente da de Mark. Pa era bonito e masculino como um homem forte de um filme, como alguém que vemos em um sonho. Enquanto isso, Mark era do tipo comum. Ele tinha uma personalidade encantadora e fazia as pessoas sorrirem com facilidade com seu jeito bobo, mas legal de agir. Seu modo de ser era, na verdade, o motivo dele ser mais popular que P’Pa agora, isso e o fato de P’Pa não ser mais solteiro. Que chato.

Esse jantar não era realmente sobre a posição deles como reis ou algo assim. Eles tinham se conhecido na competição para ‘Rei do Baile de Boas Vindas’, mas não eram tão próximos assim, a única coisa que os unia era seu melhor amigo, Wayu, com quem Parawee estava namorando.

Além dos três, o melhor amigo de Parawee também viria para o jantar, um estudante de medicina chamado Kamjornkij ou P’Kij. Wayu tinha o avisado para ser comportado e educado com Kij, não agindo de forma boba de forma alguma. Sem brincadeira, sem ser irritante, sem fazer piadas de mal gosto, ele não podia fazer nada de nada. Wayu lhe deu tantos avisos que ele nem se preocupou em lembrar deles.

Quanto mais Mark ouvia sobre a personalidade séria e pouco amigável de Kij mais ele queria conhecer o tal Kij para saber como ele realmente era. Era como se ele tivesse que testar a paciência dele pelo menos uma vez!

– Coisas boas devem ser experimentadas!

Mark olhou para frente com mais atenção, ele tinha certeza que seu alvo passaria por ele a qualquer segundo. Desde que ele ouvira sobre  Kij de Wayu, Mark não conseguiu evitar imaginar como Kij era, pensou que ele deveria ser um pouco como Parawee, talvez eles tivessem a mesma altura já que eram melhores amigos, certo?

Acabou que P’Kij na verdade era bem pequeno. Olhando de longe, ele parecia bem fofo e adorável, nada nele dizia que ele era “séria e pouco amigável”.

– Hei, você! Nong! … Sim! Você! – O grito vinha de tão perto que Kij teve que se virar para ver o que era.

“Hei, você! Nong!”? Quem diabos estava o chamando?

– Eu sou o Mark, da Engenharia, estou aqui para ver o Parawee. Você conhece ele? – Mark sorriu de forma brilhante e seus olhos brilharam quando ele viu o rosto oval e suave de Kij. Mark percebeu que quando Kij começou a ficar aborrecido suas sobrancelhas começaram a se unir.

Por que Kij não saberia quem é o popular Mark? Ele mesmo já tinha visto Kij algumas vezes por aí, mas nunca tinha tido a chance de falar com ele.

Kij franziu um pouco os lábios, como se soubesse que Mark só estava o provocando. “Hei, você!”? Você realmente quer me provocar Mark.

– Um calouro como você pode simplesmente ir chamando as pessoas de “Nong” por aí dessa forma rude?

– Eu chamo todo mundo que tem aparência jovem assim. Se você quer que eu te chame pelo nome é só se apresentar para mim. – Mark também queria chamar ele de Nong’Kij, então esperou que o outro dissese mais alguma coisa.

Kij olhou irritado para aquela pessoa bonita, então enfiou a mão na mochila e tirou algo.

Antes que Mark pudesse ver o que era, Kij já tinha esfregado um cartão em sua cara, ou melhor, tinha o pressionado contra seus olhos.

– Olhe com atenção! E você vai ver que eu sou mais velho que você. Nem pense em começar a me provocar.

Mark, que não estava acostumado com o modo de se apresentar do Kij, só pode olhar para a foto do cartão estudantil, então voltar a olhar para a pessoa em sua frente, que continuava o olhando de forma nada amigável. Depois de ter provocado Kij apenas um pouco Mark chegou a conclusão de que Kij era mais sério e muito menos amigável do que ele tinha pensado.

– Sim … P’Kij, eu posso ver bem claramente agora.

Aquilo era como um papel misterioso que podia parar a chatisse de Mark. Mark sorriu um pouco, pensando que dessa vez ele tinha achado um verdadeiro lutador, então resolveu dar um passo para trás dessa vez.

– N’Mark** só estava brincando, por favor, não se incomode P’Kij.

(Tradutora: N* é abreviação de Nong. * nesse trecho Mark se referiu a ele mesmo na terceira pessoa para demonstrar respeito).

Mark agiu como se ele se sentisse culpado com aquilo, mas já era muito tarde. Apenas pelo olhar de Kij, mesmo que ele não se importasse, ele com certeza se lembraria dessa briga a primeira vista.

– Não faça isso de novo. – Kij não intimidou Mark ou algo assim, apenas o olhou de forma séria e profunda, o que causou calafrios em Mark. Até ele queria saber o que aconteceria se isso acontecesse de novo.

– Tudo bem … eu vou lembrar isso de cor … P’Kij.

Da próxima vez eu não posso chamar ele de Nong’ humm … como eu deveria o chamar então?

– Pa foi buscar Wayu, então te vejo no restaurante. – Kij disse com tom monótono, então se virou para continuar seu caminho sem nunca olhar para trás. Esse jantar com certeza não seria tão bom para Mark, pois a primeira impressão que causou a Kij com certeza seria gravada no fundo de seu coração.

É isso que você ganha Mark. Quando Wayu ouvisse sobre isso, ele com certeza balançaria a cabeça cansado das besteiras de Mark e não diria nada além de “Você realmente mereceu isso”.

***

Hoje tinha várias pessoas de outras turmas na faculdade. Extra oficialmente, eles estavam aqui para cumprimentar Mark pelo prêmio de Rei do Baile de Boas Vindas. A faculdade de Engenharia tinha perdido o primeiro lugar para a faculdade de Medicina nos últimos dois anos consecutivos, o que não ajudou na reputação dos meninos do curso com as meninas, mas agora que Mark, sendo da Engenharia, tinha ganhado o primeiro lugar com seu rosto de anjo, os meninos tinham se animado. Era hora de Comemorar!

– O que aconteceu? Você é a nova lenda da faculdade! Nós estamos muito orgulhosos de você por recuperar o orgulho do nosso curso! – P’Jack, um veterano, abraçou Mark de um lado, enquanto P’Jew tomava seu outro lado.

– Oi P’Jack, P’Jew. P’Padboke não veio hoje?

– Você pode ver ele na Mass Com cara. Ele tem estado com Yuki o tempo todo, eu não o vejo há dias. – P’Jew respondeu.

Os três normalmente andavam juntos (Tradutora: isso de refere a Jack, Jew e Padoke), mas eles tinham perdido um dos membros, que agora passava o tempo todo com uma namorada, ao qual mudava o tempo todo.

– Fodasse o Padboke. Aliás, quando você está livre meu N’Mark? Me ajude a chegar em algumas calouras. Eu vi seu amigo outro dia, ele é bem fofo! Ele estuda Ciência, né? Qual o nome dele?

Jack gostava de pessoas fofas, independente de ser homem ou mulher, desde que fosse seu tipo ele estaria pronto para dar o primeiro passo.

– Ele se chama Wayu, mas não mexa com ele, por favor, P’Pa vai chutar sua bunda.

Mark te avisou Jack.

– Huh? O Dr. Pa? Eu estou tão de saco cheio desse pessoal da saúde, eles sempre pegam as pessoas na qual estou de olho. – P’Jack estava decepcionado, mas o que ele poderia fazer se o Deus da Medicina já tinha posto as mãos em Wayu?

Era bem mais fácil ele mudar seu alvo.

– Especialmente Dentistas … Jack perde a cabeça com … – P’Jew acrescentou. Seus olhos e sorriso estava zombando de seu amigo.

– Koh, o dentista? Não brinque comigo Jew. Da última vez nós dois não estávamos competindo sério.

P’Jack tentou agir normalmente, mas ele obviamente tinha perdido a confiança diante de Koh, que conquistou a menina por quem ele estava apaixonado.

Komez, da faculdade de Odontologia, era o rival número um do Jack há um bom tempo. O nome dele estava na lista de rivais que ele queria superar.

– De qualquer forma, quem você vai escolher Mark? Eu vi algumas pessoas te cercando aqui e ali … escolha uma enquanto pode cara. Se alguém machucar seu coração nós vamos te ajudar a superar.

Jack mudou de assunto antes que Jew começasse a contar sua história embaraçosa.

– Eu estou cem por cento solteiro cara. Desde o começo da faculdade ainda não consegui encontrar a pessoa.

Mark sorriu. Ele estava acostumado com isso. As pessoas sempre pensavam que, por ele ser amigável com todo mundo, ele abriria seu coração fácilmente para os outros.

Por outro lado, com base em suas experiências amorosas passadas, Mark conhecia muito bem seu coração. Ele sabia que se fosse gostar de alguém ele o faria por completo depois de colocar toda seus esforços nessa pessoa. Mas ele não sabia porque, quando ele contava a verdade para as pessoas, elas não acreditavam nele.

– Mantenha suas respostas inteligentes pras garotas … Vamos! Hoje a noite nós vamos beber! Seus segredos serão nossos hoje a noite!

Aqui vamos nós. P’Jack e P’Jew não tinham acreditado no que ele disse.

***

Kij estava caminhando para o prédio do estacionamento. Ele estava pensando em ir direto pro seu dormitório ou encontrar alguma coisa para fazer antes de voltar a estudar … ultimamente seu melhor amigo, Parawee, estava muito concentrado em seu namorado, por isso estava deixando Kij sozinho, mas agora ele já estava se acostumando.

Antes que ele pudesse entrar no prédio, seus olhos viram uma pessoa alta caminhando do outro lado … ele não planejava julgar ninguém ou algo do tipo, mas não pode deixar de notar que o cara alto estava andando com uma nova menina. Esse famoso Mark provavelmente não conseguia evitar ser notado não importa o que fizesse.

Kij já tinha visto isso antes com Parawee, o Rei do Baile de Boas Vindas atraia meninas com facilidade, quase como se fosse um imã, mas mudar entre duas ou três garotas por mês já era demais. Até mesmo seu amigo não faria isso.

Isso é tão irritante!

– Oh, P’Kij! Oi! Aqui! – Depois que Mark se despediu da menina, ele se virou para ver Kij. Depois do jantar alguns dias atrás, essa era a primeira vez que os dois se encontravam.

Kij acenou com irritação, então continuou caminhando, sem dar uma brecha para eles conversarem. Ele sabia que estava sendo rude, mas quem ligava? Ele não havia gostado de Mark desde a primeira vez em que se viram.

– Como vai? Você estava sozinho mais cedo? … eu e você, nós dois perdemos nossos melhores amigos. Se você está cansado de ficar sozinho você pode me pedir para sair com você. – A única intenção de Mark era sem amigável para que pudesse ser ao menos amigo de Kij, assim, quando saíssem em grupo no futuro, seria divertido. Por outro lado, Kij estava fazendo uma expressão como se estivesse com dor de barriga.

… quem vai sair com você? … flertando com qualquer um dessa forma …

– Estou ocupado … estudando o tempo todo. – Kij respondeu bruscamente. Ele não queria continuar a conversa com Mark, então foi embora, deixando ele para trás como um cachorro sem o dono para o acariciar.

Enquanto os dois esperavam pelo elevador juntos, Mark continuava tentando manter uma conversa com Kij para estreitar seus laços.

– Eu e Yu nos conhecemos no jardim de infância e mesmo eu sendo dessa forma, sou o herói dele. Eu protegia ele das outras crianças que queriam bater nele. Agora olhe para ele, grudado em P’Pa e esquecendo de mim. – Mark reclamou. Ele era como um pai depois do casamento de seu filho.

Kij permaneceu na dele, se esforçando o máximo possível para não responder: Quem perguntou?

– Oh, você primeiro. – Mark pressionou o botão do elevador de forma ociosa, então seguiu Kij de perto para dentro, como se tivesse medo que ele fechasse a porta na cara dele caso não entrasse logo. – E a quanto tempo você conhece o Parawee? … tirando o fato dele ser bonito como eu, não sei muito sobre ele … – Na verdade Mark não conseguia evitar de se preocupar com Wayu.

O primeiro amor de Wayu era o Rei do Baile de Boas Vindas e tinha muita gente querendo os separar. Mesmo que Wayu não fosse fraco, ele não era forte o suficiente para passar por tudo com facilidade.

– … há muito tempo.

Se Kij pudesse encontrar uma forma de encurtar suas respostas ele com certeza faria isso e se ele soubesse que iria encontrar esse cara na volta para casa, ele com certeza teria encontrado outro lugar para estacionar.

… será que você não pode olhar nos meus olhos? …

Mark estava prestes a pedir a misericórdia de Kij. Ele queria saber porque Kij estava tão bravo com ele, afinal, da última vez que se viram ele fez apenas uma pequena piada que se passou por sua mente. Mark queria perguntar a ele sobre isso quando percebeu que o humor de Kij tinha mudado. Ele provavelmente tinha visto algo engraçado em seu celular.

De frio ele foi para alegre e quando sorriu, ele tinha covinhas …

– Você tem covinhas! Que fofo … eu nunca tinha notado isso antes.

Mark se aproximou de Kij, porque queria ver suas covinhas melhor, mas o outro se afastou rapidamente, não longe o suficiente, claro, porque o elevador não era tão grande. Mas se ele não tivesse afastado o rosto,  Mark teria tocado seu nariz.

De acordo com o passado dos dois, Kij pensou que Mark só queria o provocar mais uma vez.

Isso extrapolou a tolerância de Kij.

– Me provocar e deixar e me bravo é engraçado para você? Seu bocudo!

– Você está gritando comigo? – Mark estava chocado. Ele piscou algumas vezes e olhou a expressão zangada de Kij mais uma vez. Comparado a última vez, era como se aquilo tivesse sido apenas um aquecimento.

– E tem mais alguém aqui além de você? Então Sim! Eu estou gritando com você!

Kij estava com uma expressão assustadora, mas suas palavras tinham um pouco de dúvida. Mark ainda estava chocado. Ele não sabia porque, mas sentiu aquilo como se Kij tivesse dado um soco em seu coração. Machucou um pouco e o incomodou um pouco também.

– Por que você está tão bravo? Eu ainda não fiz nada.

– Então o que? Eu deveria esperar você fazer alguma coisa pra eu ficar bravo?

Kij continuou gritando bem alto com ele, mas dessa vez Mark já tinha levantado sua guarda. Se Kij queria agir como um P’ durão então ele iria parar de agir como um bom Nong.

– Pare de ficar tão bravo com essa criança … se essa criança começar a revidar você não vai conseguir aguentar, porque é muito pequeno …

O cara alto, porém mais novo, usou sua vantagem de ser mais alto para olhar de forma assustadora para a outra pessoa.

Aquilo piorou o humor de Kij … aquilo foi insultante!

Mark estava insinuando que ele não conseguiria lutar porque era baixinho!

– Você tem algum problema com minha altura? Mark …

A cabeça dele estava fervendo. Seu pedaço de m*erda. E daí se sou baixinho? Eu ainda posso chutar sua bunda!

– Não, nenhum problema. Sua altura é perfeita. Eu acho bem fofo.

Mark sorriu, seu sorriso era tão brilhante que derreteria o coração de qualquer um.

Menos o de Kij.

Fofo e fofo, de novo e de novo … Kij estava louco de raiva. Ele não gostava quando esse Mark flertador falava sobre sua aparência.

– Retire o que você disse … minhas covinhas e minha altura não tem nada a ver com você.

– Eu não posso te apreciar? – Por que é tão difícil impressionar ele? Ele não sabia porque, mas irritar Kij era muito divertido.

– Não, não pode!

Eu não posso … tudo bem.

Mark sorriu de novo e antes que Kij pudesse dizer alguma coisa ele agarrou as bochechas do mais baixo, bem onde ficavam suas covinhas!

– Estou retirando o que disse como você pediu. – Bem, Kij não disse como queria que ele retirasse, então Mark pegou de volta as covinhas daquelas bochechas.

– Você … – Kij estava chocado e tinha esquecido como gritar. Ele não tinha pensado que Mark ousaria tocar seu rosto. Se Mark não tivesse tirado logo suas mãos ele teria sido mordido!

– Até mais P’Kij!

Assim que a porta abriu, Mark saiu correndo antes que Kij pudesse fazer qualquer coisa em retorno. Assim como ele tinha imaginado, antes que a porta fosse fechada de novo ele viu Kij jogar a garrafa de água em sua direção, mas como ele tinha visto, ele pegou a garrafa. Então riu o mais alto que podia e acenou para ele com a garrafa, o provocando, vendo sua expressão zangada até que ambos não pudessem mais se ver.

Mark não conseguia parar de sorrir, ele só conseguia imaginar o quanto P’Kij estava bravo com ele.

Parece que o Dr. Kamjornkij não é fofo só com as covinhas.