CAPÍTULO 49

(Tradutora: O começo do capítulo 49 é uma continuação do capítulo 48, acontece que tive alguns problemas com a fonte do capítulo da semana passada e mesmo com o fechamento do capítulo não faria sentido ir direto para o cap 49)

Ponto de vista do Ae (Continuação do capítulo 48)

“Você está livre na quarta?”

– Isso é hoje! Quarta é meu aniversário! Merdaaa!!!

– Isso é para sua mãe?

Neguei prontamente.

– Não, não. Foi pra mim, estava me xingando, é que esqueci uma coisa. Obrigado por preparar a oferenda.

Minha mãe sempre prepara essa oferenda para mim nesse dia que ela considera tão especial, mas infelizmente eu nunca lembro do meu aniversário. Se você acha que ela vai ficar triste por isso, então você está enganado, o estilo da nossa família não é esse e ela já começou a sorrir e sorri, dizendo que o arroz branco será cozido amanhã de amanhã de novo.

Antes de sair do meu quarto minha mãe diz: – Seu irmão perguntou o que você vai querer comer amanhã. O chefe dele te convidou para comer e ele quer te pagar pela ajuda que você tem dado nesses dias.

Minha mãe acha isso bem engraçado e eu acho que deve ser mesmo. Concordo com a cabeça. Eu sei que meu irmão não seria mesquinho e que definitivamente me pagaria um salário, mas mesmo que ele não me desse nada eu não reclamaria, porque eu só queria ajudar minha família.

Mas a coisa mais importante aqui é que eu fiz algo de errado com Pete.

– Ae, ah Ae, como você pôde esquecer seu aniversário? – Comecei a puxar meus cabelos, finalmente entendendo o que Pete quis dizer quando disse que queria me ver. É só que eu acho que meu aniversário é só mais um dia comum, então eu não tinha a ideia de celebrar. Eu não estava pensando em presentes, mas eu sei que para as pessoas o aniversário de uma pessoa importante para você é muito importante.

Se fosse o aniversário de Pete eu iria querer ver ele, então ele obviamente queria me ver. Qual o problema? Ele não insistiu que queria me ver, ele só disse que queria conversar comigo por uma hora, porque uma hora depois ele seria o primeiro a me desejar feliz aniversário. Eu não consegui fazer isso por ele.

– Tem tantas coisas para se preocupar depois de estar em um relacionamento.

Mesmo dizendo isso, eu nunca me arrependi de estar com Pete. Nesse momento eu estava sentindo culpa no meu coração, por que eu sou tão descuidado?

Tentei ligar para ele, mas o celular de Pete já estava desligado.

***

Eu tentei ligar para Pete o dia todo e, para ser honesto, eu queria ir embora e o encontrar na Universidade, mas quando vi que meu irmão estava ocupado com o novo empregado e que ele ainda tinha que levar a Yim para o médico eu decidi ficar e continuar ajudando.

– O que aconteceu Ae? Eu notei que você fica tentando ligar pra alguém.

– Não aconteceu nada. – Respondi de forma superficial enquanto limpava meu suor com as costas da mão, a atenção sempre no celular.

*Ping*

– Pond, seu bastardo!

Quando meu celular vibrou eu logo fui abrir a mensagem só para descobrir que era apenas Pond me enviando uma mensagem de feliz aniversário. Mas no negócio é que ele também me perguntou sobre que tipo de surpresa Pete preparou para mim, o que só me deixou mais constrangido, porque Pete deve ter se consultado com Pond, o que me deixou mais consciente ainda de que Pete realmente tentou preparar algo para o meu aniversário.

Suspirei irritado e não o respondi, apenas deixei de lado.

– Tá olhando o que?! – Meu irmão estava me encarando.

– Se você não fosse meu irmão eu iria pensar que você quer brigar comigo.

Rolei os olhos e disse: – Minha expressão é a mesma que a sua.

Sim, nós dois definitivamente temos a mesma expressão assustadora que faz os outros tremerem de medo, mas eu realmente não queria brigar e no fim das contas nós dois acabamos rindo.

– O que você está fazendo? Oh, você já decidiu o que vai comer hoje de noite?

– Qualquer coisa.

– Droga! Não diga mais nada, você não pode dizer que seu aniversário não é importante. Eu vou te levar para tomar sorvete. A Pequena Yim disse que queria tomar há um bom tempo.

Olhei para meu irmão com hesitação. Mesmo que eu não ligue muito para aniversários, toda vez que alguém de casa faz aniversário nós saímos para jantar juntos ou algo assim, mas hoje eu tinha que dizer diretamente para eles que eu não ia. Eu preciso ir encontrar alguém que eu magoei e fico imaginando estar secretamente segurando lágrimas por sentir que fez algo de errado.

– P’, posso te perguntar uma coisa?

– Pergunte irmãozinho. Recentemente eu tenho estado de bom humor, minha filha tem sido obediente, então vou te ajudar com qualquer coisa, pode falar. – Ele sorriu de forma brilhante e falou em tom harmonioso.

Eu não podia dizer aquilo de forma tão direta.

– É só que … eu posso pegar seu carro pra ir na faculdade?

– Oh, o carro não está legal, mas tudo bem, estou pensando em comprar outro. Mas isso é estranho, você realmente quer pegar o carro para ir pra aula.

– Não, eu quero pegar o carro hoje e te devolver de noite.

Dessa vez ele ele virou a cabeça para me olhar com seus olhos bem abertos. Eu sabia que ele não ia concordar.

– É uma coisa muito urgente Ae? Hei! Hoje é seu aniversário. Nong’Yim até mesmo preparou uma música especial para o tio dela, como você pode não ficar conosco?

Meu irmão disse aquilo de forma leve, mas eu agarrei meus cabelos com força. Eu realmente quero dizer que estou indo ver meu namorado, mas isso ia causar uma comoção. Mesmo que eu não pense que é grande coisa* ter um namorado eu ainda não sei o que minha família vai pensar.

(Mesmo que eu não pense que é grande coisa* Ae não está desmerecendo namorar com Pete, ele está falando que para ele é normal estar namorando com Pete, não importa se ele é homem ou uma garota, mas desde que ele é um cara ele está preocupado com a reação que a família dele vai ter.)

– Ugh …

No fim das contas eu suspirei profundamente, voltando a pegar meu celular para tentar ligar para Pete mais uma vez. Dessa vez ele me atendeu.

– Pete! Me escute antes de mais nada. – Saí bem rápido pela porta da loja, pois não queria que meu irmão ouvisse a nossa conversa de jeito nenhum. Comecei a falar bem rápido: – Me desculpe por ontem à noite. Eu esqueci que era meu aniversário, eu quero sim ver você.

– Eu sei Ae. Eu que devia me desculpar, estava sendo bastante egoísta porque queria muito te ver.

– Não, você não é egoísta. – Me apressei a falar.

– Se eu te disser uma coisa, você promete que não vai ficar bravo?

– Não vou ficar bravo. – Prometi com firmeza.

– Então, olhe para frente.

Assim que ouvi aquilo eu olhei para frente meio perdido, mas então eu vi … estacionado entre dois carros estava uma Mercedes muito familiar e perto dele tinha uma pessoa …

– Pete!!!

Eu não consegui segurar o grito quando reconheci a pessoa perto do carro que sorria de forma incerta. Ele desligou a chamada e o guardou o celular devagar, então disse num tom cuidadoso:

– Ae, não fique bravo comigo. Eu queria te ver, então eu vim.

Isso me deixa tão bravo, especialmente essa expressão, como se ele tivesse feito algo errado. Ele também segurou meu braço com uma mão.

Merda! Eu não estou bravo com você, eu apenas queria te agarrar agora mesmo!!!

Ponto de vista do Pete

Noite passada eu senti como se eu realmente estivesse errado. Eu tinha me preparado mentalmente, dizendo para mim mesmo que se não pudesse ver ele eu poderia pelo menos lhe desejar feliz aniversário, mas Ae disse que eu estava sendo arrogante em um tom estranho que eu não conseguia entender, o que queria dizer que eu estava o incomodando, e isso me deixou tão bravo que eu desliguei. Depois eu fiquei sentado me sentindo inútil.

Eu fiz aquilo, ele devia estar bravo

Talvez aquilo devesse ser assim, mas minha distração foi percebida por P’Money, que perguntou se eu tinha dado o presente para o meu amigo, então eu tive que dizer que não tinha visto ele.

– Hei! Isso não é bom. Pete, você passou muito tempo fazendo esse presente, se você não der para ele, então eu não não sou sua veterana, eu ordeno que você vá dar esse presente para ele!

Talvez eu só precisasse de um empurrão, porque depois daquele encorajamento eu decidi matar minhas aulas da tarde e enfrentar o trânsito de Nontha para ir ver o Ae hoje.

Ae estava muito surpreso, como se não pudesse acreditar naquilo, ele estava vindo para mim, mas eu fui até ele primeiro.

– Olá P’Oh, eu estava passando então decidi aproveitar para dar o presente de Ae, mas eu já estou indo.

Eu me sentia envergonhado, porque com certeza a família dele ia querer comemorar o aniversário de Ae com ele, mas aqui estava eu o monopolizando.

– Sério? Mas você veio de tão longe só para dar o presente dele, fique e comemore com a gente.

Eu estava hesitante, mas Ae agarrou meu braço e me olhou de forma firme enquanto dizia num tom igualmente firme: – Você não pode dizer não! Eu não vou te deixar ir!

Desde que ele tinha dito aquilo eu aceitei obedientemente, eu ia tentar meu melhor para entender a aproximação dele.

Quando a mãe de Ae descobriu que eu estava aqui eu rapidamente fui para um canto, logo depois a cunhada de Ae também chegou do hospital com a Nong’Yim, então eu nem tive outra chance de conversar com Ae. Eu estava secretamente preocupado de que eu fosse me sentir desconfortável ali, mas a família do Ae era tão calorosa que eu me senti surpreendentemente relaxado e a vontade.

Quando eu estava comendo, a atmosfera prazerosa que a família de Ae transmitia me passou uma sensação de pertencimento. A mãe de Ae estava feliz, o pai dele estava brincando com a Nong’Yim, Ae estava discutindo com P’Oh por algum motivo e a cunhada dele era muito legal comigo. Aquela atmosfera harmoniosa me fez sentir a vontade.

Mesmo que Ae não estivesse muito concentrado na conversa das pessoas ao seu redor ele, vez ou outra, vinha e sussurrava algo no meu ouvido, o que me fazia pensar que a decisão ter vindo aqui não tinha sido a errada.

– Eu estou muito feliz por você se importar.

Eu tinha certeza que meu rosto estava vermelho, mas felizmente ninguém estava prestando atenção em nós dois, pois estavam concentrados em Nong’Yim que pedia um pedaço de bolo com sua voz fofa.

– Parabéns pra você … parabéns pra você … muitas felicidades, muitos anos de vida … Feliz aniversário Tio Ae! Hee heee!

Depois de aplaudir a Nong’Yim correu até Ae, que a pegou em seus braços. Ver essa família amável me passou um sentimento quente de aconchego.

– Oh, não faz isso!

Ela não deixou Ae a beijar, pois ele tinha usado as mãos para apertar sua bochechas.

– O que você quer dizer? Hoje é meu aniversário, então você tem que me deixar fazer isso dessa vez.

– Não!

A garotinha balançou a cabeça e cobriu o rosto com medo. Ae beijou a testa dela, orelha, nariz e todo o rosto enquanto ela gritava e tentava evitar os beijos ao mesmo tempo que tentava escapar do colo de Ae para os braços do pai. Acontece que Ae não admitia derrotas.

– Hei, o rosto da criança está toda inchada!

– Quem a deixou assim? Agora vai ter todo o rosto beijado.

– Tio Pete! Tio Pete, me salve!

Eu estava rindo, por isso fiquei bem surpreso quando a Nong’Yim se inclinou para o meu lado pedindo ajuda. Eu estava prestes a levantar do meu lugar, então Ae finalmente a soltou e deixou ela ir correndo para me abraçar.

– Aqui Ae, beije aqui.

!!!

Quando a Nong’Yim tocou meu rosto e disse aquilo eu arregalei meus olhos. Ela tinha achado alguém para se sacrificar no lugar dela e aquilo, de alguma forma, me fez sentir envergonhado.

Se isso tivesse acontecido em outro lugar eu não teria sentido nada, mas isso aconteceu na mesa onde estavam os pais e irmão de Ae. Na frente de um público. Ae a olhou com uma expressão incrível. Eu não precisava me olhar no espelho para saber que meu rosto estava vermelho, eu conseguia sentir aquilo, e ele devia estar vermelho o suficiente para ser notado.

– Hei …

– Você não quer ser beijada, então está tentando sacrificar seu Tio Pete? Como você pode fazer isso. Venha aqui, você não quer um pedaço de bolo?

Naquela hora a cunhada de Ae apareceu para nos salvar daquela situação embaraçosa. Ela falou aquilo como se fosse uma brincadeira, então toda a família riu.

– Nong’Yim é uma menina muito esperta. – O pai de Ae disse pomposo. Parece que ele está muito orgulhoso da neta, então apenas concordei com alívio.

Antes que eu pudesse respirar aliviado, Ae veio para perto de mim e colocou a mão nas minhas costas, fazendo um carinho discreto. Olhei para ele e percebi que uma situação especial tinha acontecido.

Eu não sei que sentimento era aquele, mas era bem único. Eu estava para segurar a mão dele quando alguém disse:

– Pete, já está muito tarde, você deveria passar a noite aqui. Vai ser muito perigoso se voltar dirigindo para casa a essa hora.

Recolhi minha mão de volta e olhei para a mãe de Ae de forma lisonjeira.

– Oh … eu …

– Sim! Fique aqui hoje. Ae nunca trouxe um amigo pra passar a noite aqui antes!

O pai dele também está me convidando para ficar. Eu olhei em volta, não ousando tomar uma decisão, enquanto pensava no motivo para Ae nunca ter trazido uma amigo pra passar a noite na casa dele.

– Nong’Yim, o tio Pete vai passar a noite aqui, tudo bem?

Nat (cunhada do Ae) se curvou para pegar a Nong’Yim quando fez essa sugestão. Nong’Yim estava com os braços estendidos.

– Passar a noite. Você tem que passar a noite aqui.

– Viu? Vai ser difícil recusar, apenas passe a noite aqui. – P’Oh disse.

Mesmo que eu possa dizer que tenho aula amanhã e que na verdade não está tão tarde assim, tem uma pressão em minhas costas que está me segurando, como se o dono daquela mão estivesse se prevenindo para que eu não me fosse, então eu disse:

– Tudo bem, então eu vou passar a noite aqui.

Como eu deveria lidar com isso? Meu coração está acelerado. Mesmo que eu esteja acostumado com Ae passando a noite no meu apartamento, essa é a primeira vez que eu passo a noite na casa dele.

Depois que todo mundo terminou de comer eles foram para seus quartos. Quando não tinha mais ninguém para nos ver, Ae tocou o ponta do meu nariz com a ponta do próprio nariz antes dele levantar. Ele beijou meu cabelo antes de dizer com uma voz doce:

– Eu quero te beijar mais do que eu quero beijar o rosto da minha sobrinha. – Ele sorriu. Ele estava muito charmoso e tímido, o que me fez ficar vermelho.

Hoje é o aniversário dele, então por que sou eu que estou me sentindo tão especial dentro do meu coração?

Ponto de vista da autora (Cap49)

– Nong’Yim dormiu?

– Hum-Hum.

– Então vou levar ela pro quarto dos pais dela.

Já era bem tarde e no quarto de Ae ainda tinha uma criancinha de pijama rosa dormindo enquanto segura um travesseiro de princesa. Do lado dela tinham duas pessoas que a olhavam de forma carinhosa enquanto sorriam. Ae pegou a sobrinha nos braços, se preparando pra levá-la para o quarto dos pais dela.

– Por que não deixa ela dormir aqui hoje? – Pete perguntou, fazendo Ae olhar para ele, então balançou a cabeça devagar.

Em um tom sério, ele disse algo que fez Pete estremecer: – Não, se ela acabar acordando de noite ela pode ver algo que crianças não deveriam ver.

Quando Pete ouviu aquilo ele ficou rígido em seu lugar enquanto via seu namorado sair do quarto com a sobrinha. Ele ergueu os braços e tocou o próprio rosto, sentindo-se envergonhado.

Eu não deveria ter sido muito egoísta. Eu estava irritado e acabei vindo encontrar ele, o que será que o Ae está pensando de mim?

Pete continuou sentado na cama com o rosto enterrado nas mãos enquanto se sentia envergonhado. Ele queria que a Nong’Yim dormisse no quarto com eles porque assim o Ae não teria como fazer qualquer coisa com ele, mas agora que iam ficar sozinhos ele subitamente não se sentiu bem. Ele não se sentia mal só por causa das coisas que ele fez, mas também porque fazia um tempo que eles não se tocavam.

Quando Ae voltou pro quarto e viu Pete naquela posição ele achou Pete era realmente fofo. Ele estava usando os pijama de Ae, calça e camisa moletom, e estava tudo tão folgado nele, aquilo fez ele se sentir …

– O que aconteceu?

Aquilo não era apenas um sentimento.

Ae caminhou para perto de Pete e acariciou o cabelo do namorado. Pete ficou chocado e se encolheu um pouco, mas depois de um momento ele tomou coragem e abraçou a cintura de Ae, o puxando mais para ele.

– Ae … Ae … – O menino alto o chamou, Ae o escutou com um sorriso.

– Você realmente é mais mimado que minha sobrinha. – Ele disse acariciando o cabelo macio de Pete. Era bom ser abraçado pelos braços dele, afinal de contas, ele não tinha sido abraçado por um longo tempo.

– Ae … Ae …

– Oh, o que aconteceu?

Ae sentia que o jovem na frente dele estava sendo mais amável que o normal. Ele olhou para baixo e viu muito claramente o pescoço claro perto do colarinho da camisa.

Eu realmente quero te beijar agora!

– Eu sou muito irritante?

A pergunta soou mais como uma afirmação que uma pergunta.

Ae abraçou o pescoço do namorado e olhou em seus olhos, que transmitiam uma sensação como se ele estivesse envergonhado, como uma criança que foi pego fazendo algo de errado.

– Por que você acha isso?

– Eu … – Pete fez uma pausa, então decidiu falar. – Eu sou muito egoísta? Muito mesquinho? Eu costumava ficar feliz só de poder ouvir sua voz, mas agora … Eu posso ficar feliz o tempo todo, mas você está cansado. Como você queria descansar você não deixou eu vir te ver e isso me deixou muito triste, mas eu não quero ficar pensando nessas coisas e não quero me sentir chateado. – Pete se encolheu e abaixou mais uma vez, ele sabia que não deveria fazer aquilo, mas ele não aguentava mais segurar seus sentimentos.

Depois que começamos a sair eu só quis mais e mais dele.

– Oh oh!

Ae juntou os dedos e bateu na testa de Pete, que soltou sua cintura para massagear a área atingida.

– Sempre que você estiver pensando em coisas relacionadas a mim você deve se lembrar de uma coisa, você nunca vai me incomodar, mas se você estiver pensando em outras pessoas eu definitivamente vou ficar bravo!

O sentimento de alguma coisa surgiu e Ae sorriu, acariciando Pete com gentileza depois de ter sido atingido.

– Eu que deveria te pedir desculpas por esquecer meu aniversário. Eu estava errado, foi minha culpa … me desculpe Pete. Eu realmente sinto muito.

O jogador de futebol moveu a mão da testa de Pete para sua bochecha, então a acariciou com cuidado antes de descer a mão até seu pescoço.

– Por favor, me perdoe.

O baixinho estava sendo tão gentil e provocativo que antes que Pete ficou tímido e envergonhado, então, para evitar os olhos do namorado, ele se virou e pegou a mochila que estava perto dele.

– Certo, eu tenho um presente pra você.

O baixinho franziu o cenho e ficou sério.

– Eu te disse para não comprar nada para mim …

– Eu não comprei! – Ele negou, então apertou a mochila. Ele não ousava olhar o rosto de Ae, então disse com timidez: – Isso … eu mesmo fiz.

Ae viu Pete tirar uma caixinha da mochila e quando o ouviu dizer que ele mesmo tinha feito o presente ele não conseguiu segurar um som de surpresa. Pete foi até ele e sentou ao lado de Ae, segurando firmemente a caixinha em sua mão, então disse:

– Não sei se você vai gostar, mas eu realmente me esforcei para fazer ele bem … pode pegar.

Então ele finalmente deu a caixinha para Ae, que pegou o presente e o olhou com empolgação, talvez um pouco animado demais …

Ele não esperava que Pete fosse fazer um presente para ele, afinal de contas, Pete era um Jovem Mestre, então poderia comprar qualquer coisa com dinheiro. Como um Jovem Mestre que mal sabia descascar camarão ele definitivamente poderia lhe comprar um presente bem caro, por isso Ae estava pronto para rejeitar qualquer coisa cara, ele faria isso porque … porque ele o amava.

Então, não importa o que tivesse na caixa, ele definitivamente iria gostar. Ele nem tinha visto o que era, mas já tinha gostado muito.

Quando ele viu o que era ele gostou mais e mais do presente.

Dentro da caixa havia uma pulseira de couro marrom escuro com seis ou sete laços de linho fino, entrelaçados de maneira ordenada e conectados com um fecho vivo e um pequeno pingente de prata, que tinha algo claramente gravado:

‘For you … From me’

Não dizia quem tinha dado o que para quem, mas era bem óbvio.

– Você mesmo que fez? – Ae perguntou olhando para Pete, ele não conseguia acreditar nos próprios olhos!

A pulseira era muito bonita e delicada, além disso, combinava muito com ele.

– Sim … eu pedi a P’Money para me ensinar como fazer. Eu fiz mais de dez peças até chegar nesse.

Até mesmo a pessoa que tinha feito o presente não conseguia acreditar naquilo. Pete tocou gentilmente o couro cortado e continuou a falar sobre a peça.

– No começo eu não sabia o que te dar. P’Money me ajudou a pensar em várias coisas, mas eu queria te dar algo que você fosse usar o tempo todo, então eu pensei numa pulseira. Demorou muito tempo até eu decidir fazer ele porque eu tinha que pensar como eu ia fazer e o estilo dele. Quando eu terminei de fazer eu fui em uma loja pra eles me ajudarem a gravar isso no pingente … eu não sei se você gostou. Você gostou?

A última frase saiu tão incerta que Ae ….

– Ae …

– Não olhe pro meu rosto.

Pete ainda não tinha terminado de falar quando foi abraçado. O jogador de futebol começou a falar, escondendo o rosto no pescoço do namorado e apertando bem forte a pulseira. Ele não conseguia evitar a expressão que estava fazendo agora. Seu sorriso era tão grande que ele não conseguiu não imaginar o quanto seria estranho se olhassem para ele agora.

Eu estou feliz … não, o certo é que eu estou muito feliz!

– Obrigado, eu amei.

A resposta de Ae fez Pete se sentir muito bem, então ele silenciosamente abraçou os ombros do namorado e os dois ficaram ali, se abraçando em silêncio.

Então Pete fechou os olhos e começou a cantar: – Parabéns pra você … parabéns pra você … muitas felicidades, muitos anos de vida … feliz aniversário Ae.

Um ‘feliz aniversário’ muito sincero soou no ouvido de Ae, então ele usou o mindinho para afastar os cabelos de Pete e depois levantou o rosto do namorado e disse, sorrindo: Sabe de uma coisa? Pra mim, você já é meu melhor presente.

***

– Você nunca deixou seus amigos dormirem na sua casa?

Naquele momento os dois estavam deitados na cama. Ae pegou a mão do namorado e olhou a pulseira em seu pulso. A pessoa deitado perto dele começou a perguntar gentilmente, então Ae o olhou.

– Não … minha família mora muito longe, ninguém queria vir para um lugar tão longe pra passar a noite … Do que você está rindo?

Pete não parou de rir quando disse: – Eu estou muito feliz …

Ele tinha acabado de falar quando Ae beliscou sua bochecha gentilmente. Pete protestou gentilmente, mas deixou Ae beliscar sua bochecha.

– Fale a verdade, você está preparando alguma coisa pra mim?

Ae subitamente perguntou aquilo, ainda segurando a bochecha de Pete quase como se ele fosse um viciado naquilo. Quanto a pergunta que ele fez, talvez tenha sido feito porque ele não via Pete há muito tempo, o que o fez pensar que ele não conseguia entender que tipo de pessoa Pete era. Se você quiser perguntar diretamente … ele tinha pensado há um bom tempo que Pete tinha se tornado romântico, certo?

Pete era uma pessoa muito cuidadosa e podia se lembrar dos pequenos detalhes ao seu redor. Não tinha muitas pessoas que estavam dispostas a aprender a cozinhar para a pessoa que gostam. Ele também era muito grato às pessoas que o ajudavam e quando gostava de alguém ele definitivamente encontraria o que a outra parte queria, tendo dado a Pond o presente de aniversário que ele pediu, comprado biscoitos para Nong’Yim e cortado rosas para dar a mãe todos os anos …

Esse cara, ele podia ser considerado o homem dos sonhos de todas as garotas, certo? Então, uma pessoa como ele não podia ter preparado apenas um presente tão simples para ele!

Quando Pete ouviu a pergunta seu rosto ficou vermelho.

– Eu preparei outras coisas. – Ele disse devagar, se virando para pegar o celular ao lado da cama. – Na verdade, eu tinha pedido um bolo pra você …

Depois daquilo ele abriu uma foto no celular e mostrou para Ae, que viu a imagem de um bolo com gramado e meia bola de futebol em cima.

– Mas eu sabia que você não viria me ver, então eu cancelei. Recentemente eu aprendi a fazer novas comidas, então eu queria fazer algo que você fosse gostar … algo assim.

Quanto mais Pete revelava aquelas coisas mais culpado Ae se sentia. Ele devolveu o celular para Pete e Pete voltou a colocar o objeto na mesa.

– Ae …

– Algumas vezes eu ainda fico admirado comigo mesmo.

– Uh, huh?! – Pete perguntou surpreso, então Ae explicou.

– Eu tenho inveja dos outros por poderem ficar com você.

– O que tem para invejar? Eu sou muito chato. – Pete respondeu, escondendo o rosto vermelho.

– Nunca te achei chato … você tem aula amanhã?

– Só meio-dia.

– Então é bom dormir … demora mais ou menos uma hora pra chegar na Universidade. – Ae disse, voltando a abraçá-lo, como se quisesse pôr fim na conversa para que Pete fechasse os olhos e dormisse. Pete queria dizer a ele que podia matar aula, mas Ae definitivamente o mataria, então apenas tocou gentilmente na mão do namorado e disse: – Boa noite Ae.

– Hum. – Ae respondeu baixinho, apertando mais seu aperto e sentindo aquele sentimento que não tinha sido expresso nos últimos dias, fazendo Pete sentir algo estranho.

– Ae … isso …

– Não preste atenção nisso.

Pete queria dizer pra ele que não tinha como ignorar aquilo.

– Se você não precisa se segurar … apenas considere isso outro presente de aniversário.

Depois de dizer a última sentença, Pete quase fechou os olhos e os ouvidos. De primeira, ele achou que Ae viria até ele, então ousou tomar a iniciativa.

– Você sempre pode me fazer me fazer tornar real os desejos do meu coração … mas aqui não. – Ele disse aquilo em tom mudo, então continuou a explicar. – Eu não te toco há um bom tempo e eu certamente não te deixaria na mão uma única vez, mas eu estou com medo que você não possa se levantar depois e que não consiga ir pra aula amanhã. E o mais importante, minha sobrinha sempre acorda às quatro da manhã e vem no meu quarto. – Ae também não queria se segurar, mas tinham muitos motivos o segurando.

Não é que ele não quisesse se assumir para sua família, é que ele não queria se assumir dessa forma.

– Então, antes que eu faça alguma coisa, se apresse e durma.

Pete entendeu os motivos e estava preparado para fazer o que ele pediu, mas quando ele percebeu que suas necessidades eram muito grandes ele segurou o punho e hesitou, tamborilando os dedos. Depois de um tempo ele se decidiu e o agarrou com coragem.

– Você!!!

– Isso é uma punição para a pessoa preocupada que não está vindo até mim.

Aquele movimento fez a pessoa que estava atrás dele dizer em uma voz baixa:

– Eu vou me lembrar de colocar as mãos em você mais cedo ou mais tarde.

O baixinho respirou bem fundo, contando de um à dez em seu coração, constantemente reprimindo seu profundo desejo e se forçando a dormir ao mesmo tempo em que olhava o caloroso e cheiroso corpo próximo ao seu, em um lugar o qual ele podia alcançar com facilidade. Era como punir a si mesmo.

O resultado foi que mesmo que Pete tenha tomado a iniciativa de o provocar, aquilo, na verdade, acalmou muito Ae.