Ponto de vista do Autor

Kirakorn não é o tipo de pessoa que gosta de pensar na mesma coisa por muito tempo várias vezes, nem falar sobre, ele meio que é uma pessoa sem coração, mas nos últimos dias o que aconteceu tem permanecido em sua mente.

Eu fui beijado por alguém … o que foi isso?

Ele me beijou …

Não, esperem, por que diabos estou pensando nisso?!

Eu fui mudado por essa pessoa … nem tanto.

Estou gostando dele? Não! Nem um pouco … eu não deveria pensar nisso!

O que mais?

O que mais há em meu coração?

Ele negou com a cabeça para espantar todos os seus pensamentos e continuou.

– “Tul Maysathanan é o segundo homem mais bonito do ranking com o qual todas as garotas querem se casar, estando apenas 0,10 pontos atrás do primeiro lugar. Apesar de já estar casado e sua esposa ser realmente muito bonita ele continua balançando o coração de muitas jovens, afinal de contas, ele é um príncipe encantado, um cavaleiro de alto porte.”

Dá para ser mais exagerado?

Sim, tinha apenas uma coisa a mais na mente de Cantaloup e essa coisas era o irmão mais velho ruim que maltratava seu próprio irmão mais novo, tratando-o de forma frívola e sem nenhuma consideração.

– Eles realmente são irmãos de verdade? Como podem ser tão diferentes? Ele não é nada parecido com Tin.

Can baixou a cabeça e olhou para a tela de seu celular, onde aparecia um homem de cabelo castanho e aparência europeia. Apenas de olhá-lo assim ele parecia muito com seu irmão mais novo, mas na verdade eles não eram nada iguais, a única coisa que eles tinham de semelhante era que ambos falavam três línguas diferentes além do tailandês.

– Não sei porque eles falam tantas línguas. Algumas vezes até o tailandês já é muito difícil de entender, então como algumas pessoas conseguem falar perfeitamente mais de uma língua?

Can encolheu os ombros e continuou a ler a matéria sobre o irmão de Tin.

– “A mãe dele é britânica e tem seis pé e dois polegares de altura” … Quanto? Um pé é igual a trinta centímetros, então ela tem um metro e oitenta … e … seis? Oh, qual é! Eles não podiam escrever isso para todo mundo entender? Quem tem tempo para ficar calculando quanto são seis pés e dois polegares? – Can reclamou enquanto aprendia lentamente sobre a situação geral da pessoa ao qual eles haviam escrito, então ele rolou a matéria mais para baixo e viu a foto de uma família.

O irmão de Tin estava com uma mão ao redor do ombro de uma mulher muito elegante, provavelmente sua esposa, e a outra mão estava segurando a mão de um menino muito fofo, provavelmente o filho dele, sobrinho de Tin. Can não conseguia ver qualquer sinal de agressividade vindo daquele homem naquela foto de família, tanto que, se Tin não tivesse lhe contado sobre a personalidade daquele homem ele não acreditaria que aquela pessoa tão bem afeiçoada era tão terrível.

A matéria continuava falando sobre como ele era uma pessoa de família, o qual amável era e como ele não tinha energia para gastar com outras coisas que não fosse sua família. Não importa de que forma você lesse a matéria você acabaria deduzindo que ele era, na verdade, um bom homem de família.

– Quanto mais eu vejo o rosto dele mais nojo eu sinto, quanto mais artificial ele parece mais eu quero dar um soco na cara dele!

Não importa o que estava escrito na matéria, Can não ia mudar sua opinião sobre aquele homem, mesmo que fosse tendencioso, ele escolheu acreditar em Tin.

Quanto mais ele pensava naquilo, mais ele simpatizava com o Jovem Mestre Tin.

*Som do Line*

Então Gucci começou a latir.

– O que? Oh! Gucci! Ele me mandou uma mensagem, não se preocupe. – Então sua simpatia foi embora quando ele precisou responder Tin sobre o relacionamento deles. Ele não sabia o que tinha dado em Tin. Desde que eles tinham trocado seus Lines há três dias Tin ficava lhe mandando mensagens, quase como se o estivesse assediando. Can era uma pessoa que confiava muito facilmente nos outros, mas mesmo assim ele sabia que se fosse investigar sobre aquele cara ele acabaria sendo pego por ele e por essa pessoa.*

(*Acho que esse trecho todo ficou meio confuso, então vou tentar explicar. Can recebeu uma mensagem de Tin, ele tem recebido mensagens nos últimos três dias e ele está começando a se sentir assediado. Depois ele pensa no que está fazendo e acha que se continuar pesquisando sobre aquilo ele eventualmente será pego por Tul e Tin, principalmente pelo último, que mandou mensagem agora como se sentisse o que ele está fazendo).

– Não responda! Quando eu respondo eu sinto como se fosse ser pego por ele!

*Som do Line*

– Eu não estou ouvindo, eu não vou te ouvir!

*Som do Line*

– Ignore. Mesmo que você me mandar mensagens eu não vou responder. Eu não ligo tanto assim para você!

*Som do Line*

– AARRGHHH!!! Ele é tão persistente! Já sei! Vou deixar no mudo.

BUZZZ … BUZZZ …

– Merda!

BUZZZ … BUZZZ …

– Então vou colocar no modo para não incomodar!

Então todos os barulhos e vibração do celular cessaram, sumindo sem deixar rastros, deixando Can satisfeito. Mesmo se sentindo um pouco culpado, ele sentia que devia confiar mais nos seus instintos antes de tomar uma decisão precipitada.

E tudo isso era porque ele esperava que as fortes investidas de Tin não parassem depois daquele beijo.

Gucci voltou a latir.

– Silêncio Gucci! – Mas depois que o celular parou de fazer barulho Gucci pareceu entender o que estava acontecendo, então continuou o incomodando. Ele colocou a cabeça no joelho do dono, pois sabia que o menino não gostava de o empurrar, então levantou a cabeça e mostrou os dentes, como se estivesse pronto para o morder caso ele não respondesse as mensagens.

No fim das contas Can não conseguiu mais suportar e teve que ceder.

Ai’Gucci, seu cachorro traidor!

(Tradutora: E o Gucci faz tudo)

– Ok, ok, eu vi alguém que protegeu minha família uma vez.

Assim que ele terminou de falar, Can pegou o celular e viu a última mensagem que Tin tinha lhe enviado.

Tin: Você já esqueceu quem comprou o seu celular?!

– Como você ousa me ameaçar!!! – Então ele desbloqueou o celular e viu as mensagens que Tin tinha mandado para ele, a maioria estava o chamando de Can ou Cantaloup e perguntavam se ele estava por ali, mas a última mensagem foi bem assustadora, dizendo que se ele não o respondesse ele ia pegar o celular de volta.

Você acha que me assusta?

– Você acha mesmo que pode me ameaçar assim?

Mesmo que ele estivesse dizendo aquilo, ele ainda se apressou em responder.

Can: Tem alguma coisa que eu possa fazer Grande Mestre Tin? ToT

(Tradutora: o emoji que o Can usou na mensagem foi a de um macaco chorando, mas eu não achei, então deixei dessa forma mesmo)

Ok, eu estou com medo!

Eu não tenho celular nem há uma semana direito, mal brinquei com ele, mas ele já vai ser tomado de mim.

O que é isso?

– Oh, ele realmente está ligando para mim.

Quando ele mandou a mensagem Tin já estava o ligando, então ele teve que atender bem rápido. No começo ele queria xingar Tin e perguntar o que tinha acontecido, afinal de contas ele o estava assediando desde aquela tarde, mas no fim das contas o que ele disse foi:

– Ah, alô, o que aconteceu? – Sua voz tinha se suavizado.

– Por que você não me respondeu?

– Eu não tinha visto sua mensagem para responder.

Seus dedos estavam se apertando bem forte.

– Você mudou sua foto no aplicativo não tem nem alguns minutos.

– Eu só … só troquei a imagem.

Ele não ia admitir tão facilmente que não queria responder.

– Mas eu te mandei uma mensagem há uma hora.

– E qual o problema? Eu tinha que brincar com meu cachorro, então não tinha tempo de te responder.

Dessa vez Can esperava que pudesse mudar de assunto bem rápido, porque ele sentia que se fosse pego ele seria jogado no fogo em poucos segundos. Ele não teve tempo para pensar tão rápido, mas a outra parte já tinha feito um movimento.

– Sabe de uma coisa? Seu modo de agir é como se você estivesse tentando fugir da dívida.

– Eu não tenho dívida! E eu não fugiria de um pagamento assim, não tenho esse talento! E ainda nem se passou uma semana direito, ainda não fez um mês, então como eu estou fugindo da dívida? Se você tem algo a dizer, então apenas diga, não se preocupe em ter que me encontrar!

Can estava um pouco bravo, ele podia aceitar que os outros o enganassem, mas ele não ia aceitar de forma alguma que alguém fosse estragar sua imagem o chamando de devedor.

 – Sua atitude me deu uma ideia.

Se Can tivesse deixado seu coração de lado naquele momento ele teria percebido que caiu em uma armadilha.

– Então o que eu posso fazer para você acreditar que Kirakorn não vai evitar a dívida?

– Se eu pedir, você vai fazer?

Naquele momento Can se acalmou um pouco e pensou sobre aquilo.

– Eu farei! Se apresse me diga o que é!

– Bem … então você vai me mandar mensagens todos os dias quando você acordar a partir de hoje e quando eu te mandar alguma mensagem você tem que responder dentro de uma hora, se você não me responder dentro desse período eu vou te considerar um caloteiro, entendeu?

– Oh! Eu vou fazer isso por você. De agora em diante, todas as manhãs, eu vou te mandar uma mensagem, por favor, me dê alguns benefícios extras. Eu vou te mandar mensagens doces todas as noites antes de dormir também, satisfeito?

Hei! Um momento! O que eu acabei de dizer?!

Aquele que tinha falado demais arregalou os olhos e começou a fechar sua boca, então ele percebeu que tinha dito demais mais uma vez.

– Hei Tin! Eu não quis dizer isso, eu …

– Eu te liguei para dizer isso, espero que você mantenha sua palavra e me veja de novo.

O que???

Agora Can estava segurado seu celular, petrificado, apenas meio consciente de que estava piscando constantemente enquanto ouvia o som do “TU-TU-TU” do outro lado da  linha enquanto começava a bater sua própria cabeça e começava a ficar bravo.

– Seu!!! Você é muito ruim! Você está mentindo pra mim de novo! E você Can, por que você prometeu isso para ele?!! Hei! A culpa é sua Gucci, se não fosse por você eu não teria respondido ele e não estaria tão miserável!

Depois disso o bom humor de Can desapareceu, ele se levantou, olhou para o cachorro fofo com ódio e depois entrou no quarto com raiva, o que fez Gucci gemer impotente.

Se o Cantaloup pudesse entender só um pouco da língua dos cachorros ele teria percebido que na verdade Gucci não estava tomando o partido Tin, na verdade ele estava agindo assim porque estava com fome!

Meu almoço, eu estive com fome por tanto tempo, você não consegue entender a língua dos cachorros?

– Sim, eu sou muito burro. Eu estou usando a imagem de uma avatar enquanto Tin está usando a própria foto!

Depois de sentar ali por um tempo, Can pensou sobre a missão secreta que tinha recebido há alguns dias. Ele já tinha uma foto de Tin, mas infelizmente os rostos deles estavam muito próximos nela, então ele teria que cortar a foto antes de dar ela para sua irmã, que com certeza perceberia e lhe perguntaria porque a foto estava cortada, então sua missão não estava completa.

Nesse momento, Can, que tinha um cérebro com a capacidade de um melão, começou a aprender a usar seu cérebro. Ele descobriu que desde que ele e Tin tinham trocado suas contas do Line ele já tinha uma outra foto do cara bem nas suas mãos.

Eu não tenho mais que me preocupar em apanhar da minha irmã.

– MÃE!!!! Cadê a Lei?

Então Can correu para o quintal da casa para perguntar aquilo a sua mãe, que estava estendendo as roupas.

– Ela deve estar lá em cima, agora há pouco eu vi ela descer para pegar alguns biscoitos.

Quando ele descobriu onde ela estava, seus pés correu bem rápido para a direção apontada. Ele nem mesmo notou que tinha um aviso na porta “Não entre sem permissão (especialmente se for o Can)”.

– Lei, eu consegui a foto dele … hei …

Sua irmã tinha colocado aquele aviso na porta especialmente para ele, mas ele nem prestou atenção. Quando ele percebeu que ela não estava no quarto, mas antes de qualquer coisa ele olhou o quarto todo para ter certeza.

– Então vou esperar ela no quarto.

Depois de falar aquilo ele foi e se sentou na pequena escrivania, ali em cima havia um notebook. Por que sua irmã tinha um e ele não? Bem, ela tinha usado o próprio dinheiro para comprar para ela mesma e então tinha dito para Can que, se ele não  quisesse morrer, ele não deveria tocar no notebook dela. Acontece que Can nunca dava a mínima atenção para as ameaças dela.

– Huh? O que é isso?

A tela não estava bloqueada e algumas coisas chamaram a atenção dele, então ele começou a rolar com o mouse para baixo e viu algumas fotos que o fizeram querer gritar.

Garotos …

– Esse site é estranho. – Can murmurou baixinho. Ele não tinha percebido que estava na página inicial de um site, então continuou rolando para baixo para ver as coisas. Ele viu alguns homens se abraçando, alguns se beijando, alguns sozinhos, algumas fotos, alguns desenhos e alguns pequenos vídeos.

– Ah? … hei …

– Mas que infernos?!!!

Can ficou tão chocado que realmente empurrou sua cadeira há mais de dez centímetros da mesa. Ele estava com vergonha, aquilo não eram só desenhos de meninos segurando mãos, eram homens de verdade! Além disso, não tinha como estar enganado sobre o relacionamento deles, as mãos deles estavam apertadas bem forte juntas.

– Can! Por que você está dentro do meu quarto?!!! O que você está vendo?!

– Le-Lei … o que é isso?

A essa altura a dona do quarto já tinha voltado, gritando e puxando seu irmão para trás. Can prontamente apontou para a tela do notebook com a imagem dos dois homens e, tremendo, perguntou. Lei prontamente mudou de assunto.

– Quem deixou você entrar no meu quarto, Can?! – Lei fechou a tela do notebook e perguntou em tom duro.

Ela geralmente ficava bem com ele entrando e saindo do seu quarto, mas dessa vez ela não estava nada bem com isso.

– Me explique bem rápido o que é aquilo.

– Isso é … é uma HQ, você pode ver quando se acalmar.

– Você ainda vai ver isso?

Can ainda não tinha eliminado sua dúvidas, então continuou perguntou, pressionando um pouco Lei, que sentiu como se ela tivesse sido pega fazendo algo errado.

– Já chega! Olhe por você mesmo, então se apresse e saia!

– Eu não vou sair, se explique primeiro!

– Então eu não vou dizer, saia, neurótico!

A menina de óculos ainda estava usando um tom duro, mas ela estava claramente pálida pelo seu irmão ter descoberto seu hobby alternativo. No fim das contas Can fez um último movimento de vida e morte.

– Não, se você não me disser eu vou contar para mamãe que você está vendo um filme gay.

Quando Lei ouviu aquilo ela quis pular no pescoço do irmão e o enforcar até a morte, mas o efeito da ameaça dele não era bom de forma alguma. Se os mais velhos soubessem que uma estudante tinha tais hobbies as consequências seriam inimagináveis. Oh, então ela suavizou seu tom.

– Eu sou uma fujoshi.

Depois de ver a expressão confusa do seu irmão, ela continuou explicando.

– Eu gosto de ver dois homens juntos, você entendeu agora?

Depois de ouvir aquilo Can olhou chocado para sua irmã, então ele deixou escapar uma pergunta: – Você não é normal?

Bang!

– Droga!

O caderno em cima da mesa voou sobre sua cabeça pela primeira vez, então Lei disse de forma desapontada:

– Esse tipo de amor não é anormal, oh, eu só quero ver dois meninos se apaixonando, isso é errado? Não importa qual seja o gênero, o amor é o mesmo. Você já leu algum artigo? Tem uma artigo que diz que nós nascemos assim. É nossa sexualidade. Mas por causa de como é a sociedade muitos meninos se sentem oprimidos e acabam ficando com garotas. Eu não fiz nada de errado. Eu sou muito boa lendo. ‘Não sei quantas pessoas que abriram as pernas são melhores do que você’*, mas como você pode, me conhecendo tão bem, dizer que eu não sou normal?!

(*Não sei o que ela quis dizer com isso, mas realmente estava escrito dessa forma e eu não soube como adaptar, então deixei a tradução literal da frase.)

– Calma, calma Lei, eu não quis dizer isso.

Quando sua irmã falou, Can ficou um pouco sobrecarregado. Olhando para ela agora, era como se ela tivesse mantido aquilo em seu coração por um bom tempo. Lei umedeceu os lábios e perguntou:

– Você discrimina os LGBT?

– Não, não, eu tenho amigos que são LGBT, eu só não esperava que você gostasse dessas coisas … hehe.

Vendo que sua irmã estava ficando realmente brava Can se apressou em se explicar, incluindo até mesmo seus amigos estavam namorando.

– Você não pode contar pra mamãe. – Lei disse, então Can concordou. Ele estava com medo que ela pegasse o caderno de novo e batesse na cabeça dele com aquilo. – Bem, agora que você já sabe, você tem que ajudar.

– Ok?

Então sua irmã foi de um dia nublado para um dia ensolarado e seu rosto se iluminou. Ela sentou na cama com as mãos no peito.

– O que eu tenho que fazer?

– Você tem que ser meu assistente, ajude Tin e Pete a se apaixonarem.

– O que?!

Can não conseguia acreditar nos seus ouvidos e seu rosto se cobriu com choque.

Tin e Pete? Lemon, você perdeu a cabeça?

  • – Você não entendeu errado, você já sabe. Bem, na verdade eu tenho um site no qual quero postar fotos deles. Eu definitivamente serei super legal com eles. E desde que você é amigo deles você precisa me dizer tudo o que está acontecendo com eles, ok?

– Não, nada ok! Certamente não está ok! Porque Pete …

Eu não posso dizer isso! Ae e Pete ainda não anunciaram o relacionamento deles, além disso, como eu posso dizer a ela que na verdade o seu bom Tin está na verdade dando em cima de mim, seu irmão?

Pensando naquilo Can se apressou em segurar sua língua e olhar para sua irmã. Pelo brilho de seus olhos ele percebeu o quanto contar a verdade para sua irmã seria algo ruim. O resultado daquilo seria que sua irmã iria colocar em seu site que Tin estava flertando com ele. Desde que ela já tinha entendido as coisas errado ele ia apenas deixar ela entender as coisas errado.

– De qualquer forma, eu não vou concordar.

– Você esqueceu quem faz sua comida?

Assim que ela viu seu irmão parar, a pessoa que sabia todas as fraquezas do seu dele imediatamente sorriu.

– E se algum dia eu acidentalmente colocar mais pimenta na sua comida? Hummm, você vai dizer que estava delicioso.

O rosto do Cantaloup subitamente ficou pálido, porque se você fosse perguntar a ele do que ele mais tinha medo e o que ele achava mais nojento era com certeza aquilo. Ele costumava gostar daquilo quando era bebê, mas depois dos três anos ele não conseguia mais comer pimenta sem ficar sem comer por três dias depois.

– Então, se eles fizerem algum progresso você tem que me contar, entendeu?

A pessoa que sabia ser a vencedora da discussão se apressou em dar a última ordem, então levou o irmão para fora do quarto e antes de fechar a porta, enfatizou: – Você não pode contar pra mamãe!

Depois daquilo ela bateu a porta bem forte, deixando Can do lado de fora muito pensativo. Sua mente estava cheia de imagens de Tin e Pete juntos.

– Tin está tentando namorar comigo, não com Pete! Eu realmente não quero te dizer isso, mas Tin na verdade está dando em cima do seu irmão!

Só que se ele dissesse aquilo para ela sua história ia acabar no site da irmã, então ele decidiu que por enquanto era melhor ficar quieto. Mesmo assim ele se sentiu um pouco desconfortável.

Eu nunca soube que eu poderia ficar tão chateado.

Antes de ir dormir naquela noite ele mandou uma mensagem para Tin.

Can: Eu espero que você tenha um pesadelo hoje!

Bem, já que minha irmã entendeu tudo errado isso realmente me deixou chateado a ponto de desejar que você tenha um pesadelo hoje!

***

– O que você está fazendo aqui? Por que veio a esse lugar?

– Não faça perguntas estúpidas, sabe muito bem que estamos na mesma Universidade, então é natural que eu esteja aqui.

– Hei!

Mesmo estando de férias os membros do time de futebol ainda tinham que treinar novas estratégias. A pessoa com o nome de uma fruta estava suado porque teve que correr atrás de uma bola debaixo de um sol escaldante. Sua pele, que geralmente era clara, tinha queimado e ficado um pouco mais escura, ele também estava com alguns roxos das mesmas queimaduras, mas isso não o incomodava. O que o incomodava era que, quando ele parou para ir comprar água, ele se encontrou uma pessoa em particular.

Esse tipo de pessoa fria e arrogante faz com que a gente se sinta mal à primeira vista!

– Estou falando a verdade. – Tin disse, arqueando uma sobrancelha para a pergunta boba que ele respondeu antes. – O que você quer fazer? Eu te mandei uma mensagem hoje de manhã pedindo para você acordar.

– Pedindo? – Ele devolveu para aquela pessoa que tinha aparecido do nada no mesmo tom que ele tinha usado antes. – E você ainda reclama de eu dizer coisas estúpidas. Você disse que me mandou uma mensagem hoje de manhã pedindo para eu levantar, mas vou te dizer uma coisa, eu tive aula por mais de uma hora hoje de manhã na hora que você me mandou a mensagem.

– O que? Por que você não me disse?

Sim … não preciso dizer que na verdade Can disse aquilo de forma sarcástica.

Estamos de férias, lembra?

Então Tin começou a rir.

– Eu realmente não perguntei, mas preciso saber. Agora que você sabe que gosto de você eu preciso saber de todas essas coisas e você também deve saber as coisas sobre mim.

Oh, você é muito confiante Ai’Tin, não tem medo que eu te rejeite?

Can esticou a mão e coçou a cabeça. Ele queria falar mal dele, mas não podia o insultar. Olhando aqueles olhos confiantes Can queria afastar ele, mas quando o olhava com cuidado era como se ele estivesse olhando a si mesmo.

Tin tinha um olhar tão confiante que a única coisa na qual Can conseguia pensar era … ele precisava ir no banheiro outra vez.

Toda vez que Tin o olhava alguma coisa acontecia com sua barriga e isso o obrigava a ir no banheiro imediatamente.

(Tradutora: KKKKKK, são as borboletas no estômago dele).

– Então o que você está fazendo aqui? Oh, espere, não quero saber se você está aqui porque essa é a Universidade que estudamos. Melhor eu fazer a pergunta de outro jeito. Por que veio ao campo de futebol? … Espera! O seu campus não é do outro lado da universidade?

Agora Can estava muito seguro que teria uma resposta, afinal de contas ele tinha apontado a direção dessa vez.

– Eu vim porque queria te convidar para ver um filme comigo, no cinema da minha casa …

– Não vou.

– Isso é uma pena, porque lá é diferente dos cinemas normais. É muito mais tranquilo, tem ar condicionado, muita comida e é de graça, mas já que você não quer ir …

– Hei!!! Espere … de graça?

– Você não disse que não ia?

– Oh, você é tão … Sabe o quanto eu quero ver um filme assim? No geral é muito caro, então, é de graça esse seu cinema privado de classe alta?

O Jovem Mestre assentiu e disse: – É de graça.

– Então eu vou! – Ele decidiu aquilo muito rápido, mas desde que ele poderia assistir um filme de graça no cinema privado …

Pensem em como deve ser a decoração lá dentro, e o mais importante: é de graça.

– Tem certeza de que quer ir?

– Sim, eu já disse que vou, ainda vai continuar me perguntando isso?

– É só para confirmar.

– Vamos ver, hummm … quando vai ser? – Can iria concordar com qualquer que fosse o dia, no fim das contas era muito raro ter a oportunidade de ir num cinema privado para assistir um filme, então não ia desperdiçar essa chance. Além do mais, ele não estava fazendo nada de errado, né?

Depois de ouvir aquilo, Tin olhou para seu relógio.

– Já está tarde, isso é para você. – Então lhe entregou uma sacola. Can não tinha notado que ele estava carregando alguma coisa.

– Hei! Eu disse que não pode me comprar com dinheiro! – Disse ao homem com quem tinha prometido ir junto ao cinema. Tin não discutiu, mas …

!!!

De repente Tin beijou a bochecha de Kirakorn para se despedir antes de sair.

Can abriu a boca, chocado, e quase o empurrou, mas Tin conscientemente deu um passo para trás e arqueou uma sobrancelha enquanto pedia:

– Da próxima vez que estiver suado me lembre de não te beijar … é muito salgado.

– Merda! Quem disse para você me beijar?! Essa é a minha cara! Minha bochecha! Você se importa de me pedir permissão da próxima vez?! …

Tin ao ouvir aquilo, sua risada interrompendo as palavras de Can.

– Não tem motivos para pedir permissão, já que você não quer ser comprado com dinheiro eu tenho que usar outras opções. – Tin disse enquanto olhava aos sanduíches nas mãos do Macaco Albino. Então ele voltou a se mexer. – Deveria voltar para o treino. – Então foi embora, deixando aquela pessoa que se viu obrigada a pagar pelos sanduíches com sua bochecha.

(Tradutora: para quem não entendeu porque talvez tenha ficado confuso, a sacola que Tin entregou para Can tinha alguns sanduíches, que foram cobrados apenas com um beijo na bochecha.)

Enquanto Can tocava a bochecha ele continuava falando consigo mesmo:

– Eu não disse que queria esses sanduíches, então porque eu fui obrigado a ter meu rosto beijado por ele? Quanto mais eu quero ficar bravo, menos eu consigo. Mesmo assim, essa não é a primeira vez que isso acontece, é quase como se já fosse a rotina dele. Eu realmente não entendo essas pessoas ricas, não sei porque, mas eu sinto … sinto isso … eu preciso ir no banheiro de novo!

Hoiiii!!!!

Can deveria saber …

Sentir atração e querer ir no banheiro são dois sentimentos diferentes …

***

O aniversário do Ai’Ae é esse mês.

Mesmo que Pichaya tivesse mantido a data do aniversário de seu namorado na mente sem esquecer ele ainda não tinha um presente para ele, porque nos últimos tempos ele tinha estado muito ocupado. Além disso, quando ele comprou chuteiras para o namorado da última vez Ae acabou lhe devolvendo todo o dinheiro, o que o deixava sem muitas opções para escolher um presente.

Não podia ser uma coisa cara.

Pete estava em um conflito interno muito grande porque agora ele só conseguia pensar em carteiras, relógios e coisas de futebol, só que a maioria dessas coisas era muito cara e ele sabia, depois de estar com Ae por alguns meses, que se ele o desse algumas dessas coisas ele ficaria com muita raiva.

Ele gosta de jogos, mas não vai ficar jogando como os jogadores e nem vai se viciar.

Ele gosta de futebol, mas foi para casa, então só vai chutar móveis de vime.

Ele não gosta de sobremesas, então não posso dar bolos.

Escolher um presente para Ae não é nada simples.

– “Ae? Eu não sei Pete, como o aniversário dele sempre cai nas férias nós geralmente não nos encontramos para comemorar, então não damos presentes para ele. Mesmo que vocês só se encontrem isso já será o suficiente para comemorar.” – Foi isso que Pond disse, o que não acrescentou nada.

– Pete, me desculpe, podemos ver isso da próxima vez? Um dos garçons do restaurante deixou o trabalho e não tem ninguém para ajudar meu irmão, então tenho que ir para casa agora. – E foi isso que Ae disse quando foi ver Pete depois de ter voltado da viagem dele há alguns dias.

Ele tinha passado muito rapidamente para ver Pete, apenas no tempo de entregar presentes para ele e sua mãe antes de voltar para casa e ajudar sua família.

Pete foi bastante compreensivo, afinal de contas era a família dele. Ele se sentia muito sozinho também, mas a pior parte de tudo era que ele não tinha perguntado pelo presente e ele não sabia o que Ae mais queria recentemente para lhe dar de presente.

– Eu estou tão despreparado, e o aniversário dele já é semana que vem.

Pete suspirou enquanto ia para a porta de seu apartamento, mas quando já estava para entrar ele ouviu uma voz o chamando.

– Nong’Pete kha … eu senti sua falta. Nós moramos no mesmo prédio, então por que não nos vemos muito?

Então a menina grande o abraçou por trás, mas aquilo não deixou Pete chocado, ao invés disso ele sorriu e se virou para ver a menina com olhos cheios de alegria.

– Bom dia P’Money.

– Oh yeah! Solte ele irmã! Sua pessoa ousada! Como ousa abraçar meu marido?!

– Você quer brigar?! Quem aqui é seu marido?! Pete pertence a mim, nós moramos sobre o mesmo teto, certo bonitão?

Manopob se virou para lançar um olhar mortal a sua irmã, então voltou para segurar o braço de Pete, que não se afastou e até mesmo lhes deu seu sorriso caloroso, o que fez o coração delas derreterem como poças.

– Hahahah, yes, nós estamos vivendo sobre o mesmo teto.

– Pete! Não se associe a pessoas como ela, senão sua reputação será arrastada pelo chão como a dela. Quanto tempo você pretende ficar? Estou com medo que o corpo frágil do Pete seja esmagado pelas suas patas enormes de galinha.

– Hei, olhe para o que você está fazendo. Veja o que suas patas de galinhas estão segurando, solte ele!

Depois de levar um tapa, P’Money queria atacar as mãos que tinham agarrado o braço de Pete para a tratar como quisesse, mas não conseguiu.

– Que seja. Como você está minha criança? Você parece um pouco preocupado, aconteceu alguma coisa? Se você estiver com algum problema é só me dizer, mas diga apenas para mim.

Depois de dizer aquilo para Bling Bling* (Imagino que seja o nome de uma de suas amigas), ela piscou seus longos cílios postiços. Antes quando Pete via isso ele sentia um pouco de medo, mas agora que estava acostumado ele apenas riu e lhe disse seu problema.

– Eu não sei o que dar de presente de aniversário para uma pessoa.

– Stop! – P’Money se apressou em erguer os braços e pareceu bem ciumenta quando ouviu aquilo. Ela não respondeu a pergunta de Pete. – Eu não vou te ajudar a dar um presente para uma garota!

– Não, não. É para um amigo. – Pete se apressou em explicar, então P’Money o encarou.

– Então! – P’Money rangeu os dentes, agora o tratando como sua própria criança, e deu seu próprio palpite. – É aquele baixinho de pele escura.

– Como você sabe?

Pete estava muito surpreso porque ela realmente acertou. P’Money franziu os lábios e disse orgulhosa: – E tem algum mistério nessa vida que eu não saiba?

– Você é uma fofoqueira. Você contou tudo para o pessoal da nossa turma, você só sabe disso por causa das fofocas.

– Você quer morrer?! Se você disser mais alguma coisa eu vou parar de falar com você!

P’Money se virou de novo, dando as costas para sua amigas para dar atenção ao belo jovem que estava preocupado sobre qual presente deveria dar ao seu “amigo”, então disse em tom de confidência: – Você veio a pessoa certa! P’Money é uma pessoa muito criativa, apenas me diga o que você quer fazer!

Vendo o quanto ela estava confiante o coração de Pete relaxou um pouco, mesmo que ele estivesse preocupado que os métodos dela fossem irritar Ae ele deixou isso de lado, afinal de contas, ele já tinha pedido ajuda dela, então só ia na onda.